Nem banana is my business anymore

coreiadosul

Até os anos 50 a Coréia era uma África. Estava entre as nações mais pobres do mundo. Suas principais indústrias de exportação eram tecidos e sapatos. A guerra destruiu o pouco que havia, agravando a situação. Em 1961 o Governo percebeu que não era interessante que a Coréia seguisse o caminho do Camboja, Vietnã e outros atoleiros. Alguém de muita visão percebeu que plantar arroz não leva ninguém a lugar nenhum, então focaram os investimentos em educação, capacitação de mão-de-obra e investimentos em bancos, indústria pesada e alta tecnologia.

Em 1965, após reatarem relações diplomáticas com o Japão, este pagou à Coréia como reparação por danos nos Períodos coloniais US$800 milhões, que foram integralmente investidos.

Hoje a Coréia é a 13a economia do mundo, é líder em várias indústrias, há várias mega-hyper-corporações coreanas das quais o mundo depende, como a Hyundai, Samsung, LG, Kia. Nós aqui batendo cabeça com as operadoras, e mal conseguimos fazer 3G fucionar. A Coréia já está com 4G na rua desde 2000.

Seu Índice de Desenvolvimento Humano é considerado alto, colocando-a em 26o entre 177. O Brasil? é alto na 70a posição, atrás da Albânia e da Macedônia.

Em termos de alfabetização, a Coréia apresenta 99,8% dos adultos sabendo ler e escrever, e 99% da população em geral.

99% de taxa de alfabetização é o mesmo nível da Alemanha, Japão, Dinamarca, Bélgica, Áustria e Canadá.

Brasil? 88,6%. E prefiro não saber o percentual entre adultos, depois que descobri que entre jovens de 15-19 anos a taxa de alfabetização aqui é de 93.2%.

Um em cada dez jovens não sabe ler nem escrever. Vamos pensar grande, vamos colocar essa molecada para estudar, vamos investir em incubadoras, escolas técnicas. Vamos produzir coisas que dão dinheiro, ao invés de plantar soja e desplantar minério de ferro.

Vamos parar de importar tecnologia não por uma Reserva de Mercado, mas por nossa tecnologia ser melhor, e exportada.

Vamos investir nos melhores cérebros, vamos nutrir, cuidar e estimular as crianças mais inteligentes. Vamos transformá-las nos nossos próprios Bill Gates, Steve Wozniaks, Rockfellers, Howard Hugues.

Precisamos pensar grande a a longo prazo, temos que ter aspirações grandes, incutir nas crianças a idéia de que elas podem ser mais, podem ser tudo que sonham, precisamos trabalhar, estudar, aprender e surpreender o mundo com nossa inteligência e inventividade, certo?

Errado. Não é é nossa cultura. Não gostamos de quem se destaca. Qualquer um que se sobressaia no Brasil tem que ser estupidamente “humilde”, tem que ficar pedindo desculpas por ser bom. Michael Phelps disse que entrou para ganhar as OITO medalhas de Ouro. Os EUA aplaudiram. O Cielo aqui falou que era favorito e estava nadando pelo Ouro, já teve gente no Brasil chamando o cara de arrogante.

dizer “eu sou rico”em público. Ganhar dinheiro é feio, basta colocar um banner no seu blog e de um excelente escritor você se torna um vendido ao sistema e traidor do movimento. Aqui existe o conceito estranho para mim de “ganhar dinheiro por acaso”.

“Ah, mas se você faz o blog, é bom, e por causa disso ganha dinheiro, tudo bem. Você não está fazendo para ganhar dinheiro, o dinheiro é conseqüência”

Não é. Dinheiro é RESULTADO, OBJETIVO de um TRABALHO. Eu não ganho dinheiro porque escrevo bem. Eu escrevo bem PARA ganhar dinheiro. Eu faço um bom blog com o OBJETIVO de ganhar dinheiro.

Isso não é errado, não é feio. Trabalho honesto não é feio. Não deveria ser, pelo menos.

Infelizmente aqui no patropi não é assim que a banda toca. Na Veja (hhuuuu Editora Abril, Veja, horror, peguem as tochas!) de 3 de Setembro há uma excelente embora deprimente coluna do Gustavo Ischope onde ele fala da colocação do Brasil nos Jogos Olímpicos Escolares. De 143 medalhas de Ouro o Brasil levou… zero.

“Não existe nenhuma preocupação oficial com a identificação e o desenvolvimento daquilo que o pais tem de mais precioso: Grandes mentes”

Ele fala também sobre a ISMART, uma ONG de São Paulo com um projeto que identifica jovens talentos e superdotados entre os estudantes pobres e os ajuda com bolsas de estudo e benefícios como auxílio-transporte e até computadores.

Excelente projeto, certo? Diga isso então ao senhor Gabriel Chalita, secretário de educação do Estado de São Paulo, que proibiu a ONG de aplicar suas provas de aptidão na rede estadual, e mesmo de divulgar a existência do projeto.

A secretaria de educação do Município de São Paulo foi completamente surreal:

“Se havia uma preocupação com os alunos fora de série, por que não focar naqueles com síndrome de Down?”

Porque, minha querida secretária de educação do Governo Marta Suplicy, retardados não criam tecnologia de ponta, não projetam foguetes, não repõe os quadros altamente capacitados da Embraer, não pesquisam biotecnologia na Fiocruz.

É difícil de acreditar. De um lado temos uma ONG que quer identificar os Gênios que podem alavancar o pais para o futuro. Do outro uma secretária de educação que quer privilegiar o pessoal do sorvete na testa.

É o cúmulo da mediocridade. Seria de chorar, se eu ainda tivesse alguma esperança para o Brasil.

Se bem que eu quase chorei quando estava chegando na Rodoviária do Tietê e dei de cara com isso:

2829172176_9a3a7cdd86

 

Pelo amor dos meus filhinhos (atenção: é apenas uma expressão. Não recebi ainda nenhuma notificação oficial da comarca de Americana para exame de DNA). SANDÁLIA DE PNEU.

Eu aqui pensando em projetos como o NAVE, que é A escola que eu gostaria de ter freqüentado quando era criança, eu aqui pensando nos projetos de capacitação de jovens feitos por fundações como a Bill & Melinda Gates, ou a Fundação Cisco, em projetos como a Índia, que tem pólos de tecnologia e toneladas de Prêmios Nobel no currículo…

Enquanto isso tem gente se se orgulha e TRABALHA para virarmos referencia mundial em… sandálias de pneu.

Esse é o símbolo da nossa mediocridade, esse é o símbolo do vira-latas do Mundo que o Brasil é e sempre será.

E se você acha que é exagero, lembre-se que pouco tempo atrás foi matéria em toda a mídia o sucesso que as Havaianas estavam fazendo no exterior.

Sandália  is my business.

Carmen_Miranda

Sim, sandália de pneu, porque banana, lamento informar, fomos ultrapassados faz tempo. a Índia produz 16,8 milhões de toneladas de bananas por ano, enquanto o Brasil fica em 6,7. Quem vem em terceiro já encostando? China, 6,4. (fonte: Wikipedia) NEM BANANA.

Tira o tubo.



Leia Também:

  • Excelente o texto. Tem uns probleminhas como usar ranking de IDH a invés de usar o número bruto (mas isso é por que eu sou chato), ou citar o Gustavo "Professor no Brasil Ganha Bem" Ischope :P

    Mas eu fiquei de cara com uma coisa: a secretária de educação passou pela Marta, pelo Serra e pelo Kassab e não mudou? Barbaridade!

    Ainda tem escola de lata em SP?

  • Excelente Cardoso. Lembro de você comentando e me mostrando a matéria. É incrível como brasileiro adora premiar a mediocridade. Principalmente no caso da ONG. O cara estuda, se esforça, mas não pode colocar em prática e buscar oportunidades melhores simplesmente pelo fato de "um retardado" ter que possuir as mesmas oportunidades.

    Não que isso seja ruim, muitos retardados estão ocupando cargos públicos à nossas custas. Sinto pena é do moleque que nasce com um QI de 185 e não pode desenvolver mais porque a secretaria de Educação quer condições iguais.

    Eu já estou guardando pneu aqui em casa. Esse é o futuro.

    abraço!

    • Rafael, cuidado, pois o seu futuro pode ser na cama com dengue. hehehe

  • Valorizar a educação no nosso país é o mesmo que "sair do poder" para os políticos.
    Não valorizam a educação porque sabem que com um povo "mais inteligente" eles cairão e não vão mais poder encher os bolsos de dinheiro.
    Mudanças na educação não vão existir tão cedo, fato é que os professores nem têm prazer em ensinar, não levam isso como uma paixão e acabam "deixando passar" os alunos.

    Preguiça é o mal do brasileiro.

    Acho que a iniciativa da Gooc seria melhor vista se fosse colocada de outra maneira. Foi um erro da campanha, ficaria mais bonito se eles falassem: "Vamos tornar o Brasil referência em reciclagem de pneus". Melhor e politicamente correto, né?

  • Importante, mesmo, ressaltar o aspecto da reciclagem dos pneus. Ecologicamente muito correto. Não são simples sandálias de borracha… Parabéns pelo blog. Ab., c.

  • Mallandru

    Como diz o Morróida, deviam explodir esse país e começar tdo de novo. Tem jeito nao.

    Sandalia de pneu… pqp.

    Como de costume – dando uma babada de ovo – é o tipo de post excelente que me faz largar o leitor RSS e carregar o site pra elogiar.

  • Galeno

    O triste não é a Gooc né… ela é só um caso exemplar da triste mediocridada brasileira. Sabe de onde mta genta conhece a Gooc, Cardoso? Dos anúncios no Pânico na TV. Então, é pra esse povão que eles focam mesmo…

    Quanto às Havaianas, achei interessante, nunca tinha pensado nelas assim. Ler sobre bananas na wikipedia não me parece mto confiável, mas vá lá, é meramente ilustrativo (e tb não creio que o brasil seja o primeiro nisso).

    O pior de tudoé que fica essa "vergonha" de ganhar dinheiro, de ser bom… meio arraigada, incosciente na população. Eu as vezes me sinto assim, não de propósito.

  • Um candidato a prefeito (em eleição passada) disse 'em off' numa reúnião que escola é bom pra propaganda, mas se fizer um de verdade com profissionais qualificados e valorizados, motivação pros estudantes e tudo que é necessário, ninguém mais vota nele e ficaria dificil de fazer dinheiro na prefeitura…

    Aí fica a questão, enquanto a população pensa igual esse cara sandália de pneu velho vai ser o principal produto nacional mesmo… O feijão preto que é base da nossa alimentação já é chinês também…

  • Carlos Magno

    Eu já desisti de tentar esperar que brasileiro estude. Agora me voltei só para a minha família. Quando eu ia para a casa da minha ex via mais gente de uniforme saltando do ônibus no Shopping ou baile funk (sim, funk/pagode ao meio dia) que na escola.

    Esquece essa estória de Pré-Sal, invistamos na educação já. Deveria ter vestibular para comprovar que o aluno fez o ensino fundamental direito ao invés de ir só na escola para comer merenda. Na Coréia do Sul as crianças já passam por um mini-vestibular na quarta-série, de modo a passar para colégios mais concorridos. Eu quero ver meu filho (que ainda nem está planejado) virando a noite aos 12 anos, estudando para a prova de qualificação.

    "Não valorizam a educação porque sabem que com um povo “mais inteligente” eles cairão e não vão mais poder encher os bolsos de dinheiro."

    Políticos só pensam de quatro em quatro anos. Ele não está nem aí se o pobre vai crescer inteligente ou não. No máximo vai querer que o jovem se qualifique para ter mão de obra de melhor qualidade na empresa dele.

  • E se eu te disser que desses 88% alfabetizados tem uns 30% de analfabetos funcionais?

    • 30% ? Como você é otimista…

      • John

        Realmente
        mais de 70% das pessoas são analfabetos funcionais.
        Muitos são sabem usar uma "," ou "." corretamente

        • Além do não uso correto da vírgula e do ponto ( eu também sou péssimo no uso de vírgulas ), as pessoas tem uma bruta dificuldade em entender textos.
          Ou seja, lêem e não entendem bulhufas do que está sendo escrito, isto quando entendem …

  • JV

    Aqui em Portugal um par das legítimas Havaianas custa 15 Euros. Tem gente enriquecendo com isto …

  • Enquanto as pessoas que se esforçam e são boas não puderem se orgulhar disso, não vai haver estudo a sério.

    tem um post do Alex Castro muito genial que ele fala disso: o Washington Olivetto não pode sair por aí dizendo que é um bom publicitário (o resto das pessoas pode). O Romário foi quase crucificado quando disse que classificava o Brasil pra Copa de 94, porque era arrogante, presunçoso. Pode ser o melhor do mundo, mas tem que dizer que não é.

    Exceto o Pelé, e porque fala na terceira pessoa.

  • Não fode.

    O filho é meu!

  • Cardoso, seu texto é bastante pertinente e apresenta bons exemplos. Só acho que você deveria ter um pouco de respeito e não taxar de "retardados" os portadores de Down. É correto afirmar que eles tem um retardo mental de leve a moderado, mas mesmo não sendo incorreto, é duro tratá-los desta forma pois eles entendem o significado da palavra e sentem-se ofendidos com isso.
    Abraços

    • Eu se fosse um aluno superdotado carente da rede pública, que não posso ter uma bolsa de estudos por causa de um secretário de educação que privilegia os "ofendidos" ficaria MUITO mais ofendido.

      Estou pouco me lixando para ferir os sentimentos dos aluninhos "especiais", esses já tem uma sociedade inteira e uma secretaria de educação para lhes passar a mão na cabeça.

      • Não estou dizendo para mudar sua opinião, Cardoso. Tenho a mesma convicção que você de que este país faz muita merda e perde muito em não investir naqueles que podem, de fato, trazer resultados positivos a longo prazo. Sim, eles devem se sentir fodidos com isso também. Mas nem isso justifica ofensas alheias.

        • O Cardoso está certo. Sou professor do estado do ensino médio e essa tão malfadada inclusão social é uma das coisas que estão acabando com a educação. Ao fazer com que ela seja acessível a todos, o nível de ensino caiu assustadoramente.

          • Leonardo Monteiro

            Respondendo ao Cidão. Educação é para TODOS SIM! O nível não cai porque você torna a educação acessível a todos, o nível sobe. O nível cai porque algumas políticas são incrivelmente BURRAS, como por exemplo a "Aprovação automática".

            Se você se expressou mal, ok. Se não, é de professores com pensamentos como os seus que o Brasil não precisa.

          • Sobe tanto que os desempenhos estão sempre em níveis altíssimos, em comparação com outros países, não é mesmo?

          • Leonardo Monteiro

            Acho que você André, não sabe ler como muitos brasileiros, eu não disse em momento nenhum que o nível de desempenho do Brasil é altíssimo. Eu disse que quando a educação se torna acessível à todos de um país o desempenho tende a subir e explicitei que o nível no Brasil cai devido a “algumas políticas incrivelmente BURRAS, como por exemplo, a “Aprovação automática” ”.

            Leia de novo.

          • Ok, Leonardo, não me expressei mal, esse é o meu pensamento mesmo. Após mais de quinze anos trabalhando tanto em escolas particulares e públicas já pude ver de tudo. O modelo de educação que temos onde todos tem que aprender a mesma coisa cria esse rebaixamento no nível de ensino.
            O ensino fundamental deve ser para todos, mas o médio deveria ser direcionado às áreas do conhecimento.

          • Eu li. Não tenho culpa se vc não ligou o detector de sarcasmo.

          • Sim, educação é para todos. Só que igualar por baixo é o padrão de qualquer lugar.
            Se você tem alunos como dificuldade e alunos bons no mesmo local, é lógico que para não reprovar todos, você vai ter que nivelar por baixo.
            E isto não acontece somente em ensino médio e afins não. Faculdade particular e algumas outras, são assim. Tem um monte de cérebro atrofiado estudando e atrapalhando a gente a aprender.

            Tenho que concordar realmente com o Cidão.

            Todos tem direito a estudar. Só que então, criem sim, turmas separadas para aqueles que não tem tanta facilidade e os que tem.

          • Sou mais um a concordar, não adianta querer ser "bonzinho" inventando moda de turmas heterogêneas demais. Apesar de parecer meio duro, as turmas devem ser separadas por desempenho sim. Ganha o aluno deficiente ou atrasado e ganha o aluno de alto nível.

      • Leonardo Monteiro

        Respeito é bom e todo mundo gosta. Na minha humilde opinião (porque para conseguir alguma coisa sendo brasileiro, tem que ser humilde)(PIADA) o uso da palavra "retardado" torna a sua posição agressivamente desnecessária, pois não é culpa dos portadores de Síndrome de Down que os ditos superdotados são esquecidos, é culpa da política de governo exercida por políticos que lá estão.

        Mas foda-se, isso aqui é um blog se você quer chamar gay de baitola, viado, bixa, frutinha, o problema é seu, assim como o problema é seu se quiser chamar portadores de síndrome de down de retardado mental, ou profissional do sexo de PUTA.

        Que tal esquecermos essa palhaçada de "politicamente correto", porque se não estou enganado, no meio político todo mundo tem que ser chamado de vossa senhoria, e são um bando de filhosdaputa(seres humanos).

        • Não é culpa dos portadores de Down que os superdotados são esquecidos. E não é minha culpa que exista sindrome de Down.

      • me passa seu email, pls? asordili@abril.com.br

      • “Se havia uma preocupação com os alunos fora de série, por que não focar naqueles com síndrome de Down?”

        Acho que o erro dessa frase está no verbo 'focar', o que sugere que a atenção dada aos alunos com síndrome de down deveria ser maior do que aos superdotados. Se fosse usado 'compartilhar' a preocupação dando a devida atenção tanto a superdotados quanto aos 'downs' seria uma proposição mais justa para ambos.

        Discordo totalmente do Cidão ao sugerir que a inclusão social da educação implica necessariamente na redução no nível de ensino. A lógica me parece outra. Se querem inclusão social na educação, o aporte de investimentos tem que ser muito maior, ou o bolo já deficiente sendo dividido ficará ainda pior. Ou seja, não é a democratização do ensino em si que reduz o nível, mas a falta de investimento proporcional ao alcance desejado.

        Cardoso, espero que você nunca tenha nenhum 'aluninho especial' na sua família. Mas que mesmo não tendo, reflita mais sobre essa sua frase "Estou pouco me lixando para ferir os sentimentos dos aluninhos “especiais”" e consiga perceber que este tipo de posicionamento em nada contribui para uma sociedade mais humana e justa. Vou colocá-la no mural da nossa APAE para que sirva de estímulo aos profissionais dedicados que apesar de toda dificuldade imposta pela sociedade esforçam-se para tornar a vida desses seres humanos mais digna.

        • então me diga o que um aluninho especial contribúi para a sociedade como um todo? Só pq são bonitinhos? Compre um gato. E FYI tenho sim aluninhos especiais na família.

      • Bom, opiniões estão aí para serem compartilhadas, então quero dar meus dois centavos. Dando aulas, eu vejo diariamente essa coisa de tentar forçar uma hetereogeneidade que não existe. Essa coisa de "ninguém reprova" é meio ridícula mesmo. Só acho agressivo e meio gratuito a coisa de chamar o portador de deficiência de retardado – até porque isso não faz a menor diferença no processo. Não se pode culpar uma pessoa com qualquer deficiência por políticas públicas que as privilegiam. Para mim é atacar um preconceito com outro. Também acho que deveriam dar incentivos a siuperdotados, mas que isso não precisa passar pela depreciação verbal do portador de deficiência. Esse discurso me incomoda particularmente não por pessoas que estejam discutindo seriamente as consequencias desse tipo de política, mas pelas outras tantas ovelhas que brilham os olhos com esse tipo de afirmação e em pouco tempo já estão vendo brechas para defender eugenia e outras baboseiras.

  • Educação não vai fazer o brasil andar pra frente nunca. Esqueçam isso.

    Esse país é errado desde o dia que nasceu. Compramos nossa independência, somos a único colônia que, na história do universo inteiro, virou império porque o rei fugiu de portugal e pior, nunca precisamos trabalhar, primeiro eram os escravos que faziam todo o trampo… depois o brasileiro se viu precisando trabalhar, e fez o que? Espalhou propaganda no mundo inteiro, fomos inundados com imigrantes do libano, italia, japão (as maiorias cidades libanesas, japonesas e italianos do mundo fora dos seus respectivos países está aqui). Daí este povo todo trabalhava, e o braisleirão ficava lá, vivendo de bico.

    Povo medíocre e vagabundo merece mais é se fuder mesmo.

    • [OFF TOPIC]

      Tem mais libanês aqui no Brasil do que no Líbano.

      [/OFF TOPIC]

      • John

        também muito Chines e italiano

    • Que dizer que eu, descendente de alemães e libaneses que vieram pra cá trabalhar, não sou brasileiro? Ou que os descendentes de escravos, que já passam da metade da população deste país, também não são brasileiros? Acho melhor você reler o que escreveu.

      • Daniel Loureiro

        posso estar errado, mas parece que você entendeu que o Fabião está criticando os alemães, italianos, libaneses, etc, enquanto que na verdade ele está elogiando. Pelo que entendi, ele disse que na época a população local, que não gostava de trabalhar, e usando da malandragem, "importou" trabalhadores (os alemães, italianos, etc) para que estes, com sua cultura de trabalho, fizessem o que eles não queriam fazer. E sim, os descendentes de alemães, italianos, libaneses, etc são brasileiros, embora seus acendentes não fossem, mas não vejo relação disto com o que ele escreveu – perdoe-me, mas fiquei perdido em você citar isto como resposta – não consegui pegar a linha de raciocínio.

  • Aldemir – Cascavel –

    Primeira vez q entro nesse blog, achei ele atravez de um link, que estava em um outro blog lincado no http://www.negaointernauta.com/ num artigo sobre a taal proposta da abril…

    mas vamos ao q interessa.. este post, fazia tempo que eu não ouvia alguem mencionar a educação como parte fundamental para processo de reestruturação nacional, só se fala de geração de emprego e renda… de atrair industrias… de bolsa escola… e de cotas nas universidades… (este ultimo.. sou a favor mas com resalvas, e sobre o penultimo sou terminantemente contra)….

    a "minha" geração de uma maneira geral esta perdida, poucos conseguem realmente fazer uma faculdade (estou no 4 de eng. civil numa estadual)…

    tem q se investir lá na base… lá no pré I (ainda existe isso?).. fazer com que a criança desenvolva o sentido de curiosidade para o lado da pesquisa e da educação, formar hoje os futuros fisicos matematicos engenheiros medicos e advogados…

    e a outra ponta de ataque são as escolas tecnicas como já citado no post…

    escola tecinica pra tudo, até para gari, e este deixe de ganhar 500 por mes.. pra ganhar ai os seus 800.. 1000 reais… dando mais condições de seus filhos terem mais oportunidades… é assim q se constroi um pais diferente…

    muito bom o blog todo… já esta add ao meu Speed Dial…

  • Cardoso, se você não leu, leia "Raízes do Brasil" de Sérgio Buarque. Aí descobrimos que essa nossa cultura é herança portuguesa. Quando os portugueses colonizaram o Brasil não havia o objetivo de desenvolver o lugar a longo prazo, o objetivo deles era expropriar as riquezes e voltar a portugal. É aquele papo do ensino fundamental, colonização de exploração. Portanto, não me admira que brasileiro hoje só pensa a curto prazo, é imediatista e acha que pensar a longo prazo é perda de tempo.

    Mas ainda acho que há esperança… quando eu não sei.

    • Desculpa, mas teve país muito pior que além de colonia extrativista era prisão. Hoje é país desenvolvido.

      Sei lá, deve ser coisa do português (idioma), vejamos os países que falam português: Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Macau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe, Timor-Leste!

      Só paizão hein? Só pode ser, o idioma profetizou nossa condição de pobreza eterna.

      • Não digo que seja desculpa, digo que são as origens. Negando-as fica mais difícil repudiá-las e fazer uma nova base.

  • Não que eu o esteja mandando ler o livro, é só uma sugestão. :-P

  • Ah, e como poderia ter me esquecido do "Homem cordial", mais uma sacada brilhante do Sérgio.
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Jeitinho

  • ZylyP

    Dois comentários a respeito:

    1 -Aqui no Canadá, a maioria esmagadora (eu diria uma proporção de mais de 50%) dos profissionais bresileiros que imigraram são engenheiros. Engraçado que até os anos 70, ser engenheiro era uma das profissões "corretas" pra se ter no Brasil. E isso caiu em descrédito, infelizmente. Essa turma tá por aqui ajudando a Bombardier a tentar bater na Embraer, as montadoras a produzir carros que nós não vamos chegar a dirigir por aí e um sem-número de atividades estruturais do mercado que são fundamentais e que o nosso país abre mão pela simples displicência com que os trata. Ok, eu sou de TI, tem outra turam, mas certamente menor que a dos engenheiros, essa cambada tem pra qqer lado.

    2 -Ano passado, ao sair o resultado mostrando que em um dos resultados (leitura e ciências) comparativo dos estudantes do mundo inteiro, o governo daqui descobriu que fomos ultrapassados no primeiro e segundo lugares pela Finlândia e Coréa do Sul, posto que mantivemos durante algum tempo. Isso causou uma grita geral, o parlamento caiu de pau em cima do ministério da educação dizendo que isso é inadmissível para o Canadá, que "vamos ter que promover uma revolução no ensino" para reverter esse quadro, considerado muito grave. O discurso parece com algum que conhecemos? Só muda o contexto, os motivos, o enfoque e certamente, os resultados.

    Lamentamos sempre tudo isso. Não saímos daí porque não gostamos do Brasil, só queremos uma vida melhor pra nossos filhos (que estudam feito uns condenados, não gastamos um centavo nem com livros) e o programa de superdotados daqui dá salário para um dos pais poder gerar assistência mais imediata ao aluno nessas condições, porque todo mundo sabe o resultado desse investimento.

    KBN,

    • Igualzinho aqui.

      • Nando

        É. Aqui o Lula fica preocupado se o Dunga vai conseguir levar a seleção pra copa do mundo ou não.

  • O planejamento aqui é feito para 4 anos e outra, gente que sabe ler causa problema demais, imagine gente bem educada!

  • José Henrique

    Saí do leitor de feeds pra comentar, um ótimo artigo, estou no meio entre o morróida e você, quero acreditar que o Brasil tem jeito mas acho que só explodindo e começando de novo mesmo. E o sistema de cotas? A universidade que não tem vagas pra todos privilegia quem não tem condição intelectual pra ingressar, creio que seja quase o mesmo caso da secretaria e os "retardados".

  • Timóteo

    Sem palavras

  • Marcel Mouta

    Primeira coisa a mudar é a cultura dentro das escolas de que nerds (antigamente era xingamento) ou pessoas com inteligência acima da média são otários, bobos, não beijam na boca e não pretendem ter uma vida sexual ativa pois atrapalha nos estudos (ahn!?!?!?). Por que sempre quem se destaca nas aulas é sacaneado? Mudar essa visão das crianças, adolescentes e adultos de que somente estudar e passar é garantia de um bom futuro.

    • Pedro

      "Mudar essa visão das crianças, adolescentes e adultos de que somente estudar e passar é garantia de um bom futuro."

      Para grande parte dos estudantes e dos adultos é sim. Vide a quantidade de concurseiros profissionais. As pessoas abdicam de trabalhar naquilo que gostam e se capacitaram (pelo menos em um cenário idela), e buscam a estabilidade de um emprego público.

      Que País se desenvolve onde o empreendedorismo não é incentivado. Onde desde o início da carreira as pessoas buscam logo sua zona de conforto?

      Digo isso pois me assutei quando minha esposa, professora do ensino médio da rede pública, me disse que grande parte de seus alunos diz não ter intenção de prestar vestibular ou fazer um curso superior. Vão todos prestar concurso público assim que concluírem o ensino médio. Sabe qual a causa disso? De professores, como um da escola onde minha esposa trabalha, servidores públicos estáveis, que se dão o direito de todo dia dizer na sala de professores antes de ir para a sala de aula: [espreguiçando-se] "Vamos lá, mais um dia de enrolação!".

      É triste, mas é a realidade. Some a isso professores que estão mais preocupados em doutrinação ideológica do que o ensino e o desastre está completo.

      Nesta mesma escola uma professora de Português se orgulha de passar um bimestre inteiro "estudando" com os alunos o manifesto comunista. Inclusive, na prova final de português, havianuma questão : "Com base no que foi discutido durante todo o bimestre, d~e sua opinião sobre o manifesto comunista.".

      É, a saída para o Brasil fica cada vez mais evidente: Cumbica.

      • Vivian Martins

        "grande parte de seus alunos diz não ter intenção de prestar vestibular ou fazer um curso superior. Vão todos prestar concurso público assim que concluírem o ensino médio. Sabe qual a causa disso? De professores, como um da escola onde minha esposa trabalha, servidores públicos estáveis, que se dão o direito de todo dia dizer na sala de professores antes de ir para a sala de aula: [espreguiçando-se] “Vamos lá, mais um dia de enrolação!”."

        Acho que isso não é bem culpa dos professores.Acho que é culpa dos pais,que desde pequenos dizem as crianças que emprego bom e emprego público,porque nunca vai ser demitido,e pode fazer o que quiser…
        Desde pequena conheço gente que quer fazer concurso e nem sequer pensa em vestibular,e quando pensa é "estimulado" pelos pais que dizem que com curso superior você ganha o mesmo que alguém que faz concurso de nível médio(o que,realmente no Brasil,é verdade),que se fizer determinadas coisas vai "passar fome" e etc.
        Com essa cultura que vem de professores e pais no Brasil,é difícil irmos pra frente.
        Quanto à doutrinação que você falou,realmente existe,em escolas que já estudei se falavam coisas absurdas.Extremamente idiota isso de estudar comunismo um bimestre inteiro(e em português!).Claro que comunismo faz parte de HISTÓRIA e é uma coisa importante de se estudar,mas não como forma de doutrinação dos alunos.Estudei comunismo esse ano,e em cerca de 3 aulas.Talvez caia na prova.E é o suficiente.

  • p

    Espero que seu filho não seja um "retardado"… pois já deve ser dificil, por natureza, aturar um pai assim!

    • Não tenho filhos, obrigado, mas se tivesse um filho retardado não o acharia um precioso floquinho de neve super-especial, e sim uma criança com dificuldade de aprendizado que nunca terá a mesma habilidade de uma criança normal. É triste mas é a realidade, muito pior seria iludir a criança "você é lindo, poderá ser tudo que quiser".

    • É tão lindo ter um filho com Down, mas ninguém quer. É tão legal ajudar a essas crianças, não é? Vc quer trabalhar de voluntário?
      .
      Hipocrisia pouca, é bobagem.

      • José

        Não, ninguém quer um filho assim. Mas eles nascem assim mesmo. E os pais passam a viver em função deles, pois são eles que dão significado à vida. Mas os pais também tem que aprender a "conviver" com quem os chama de retardado. Quem dera só houvessem superdotados…

        • Nota ZERO em Lógica. Se SÓ houvessem superdotados, não haveriam superdotados. ;)

          • José

            …ao invés de "retardados"!

          • Francisco

            Você poderia desenvolver o raciocínio e, dessa forma, mostrar onde houve o "Nota Zero em Lógica"?

  • Não sabia dessa do Chalita mas não me surpreende, ainda mais agora que ele é candidato a vereador. Down é a bandeira perfeita pra quem quer voto. Notem que ele não propõe que o projeto inclua os Downs, e sim que foque neles. Ou seja, é mesmo a apologia do fracasso. Eu chego a pensar que esse tipo de gente comemora coisas como a explosão em Alcântara.
    Se eu fosse o Cielo tentaria obter cidadania americana.

  • Realmente nossa cultura é estranha. Um jogador de futebol, que na maior parte das vezes não estuda e só quer saber de sair do país para ganhar mais dimdim, é mais valorizado do que um profissional de saúde, um professor, um analista de sistemas. Ganhar dinheiro ralando é crime. Ganhar dinheiro com malandragem é esperteza.

    Vou dar um exemplo bem clássico de como pensa a nossa sociedade: Vi esta entrevista com o autor da novela das oito da Globo e fiquei passada: "Para o público brasileiro, ser milionário é um crime. Apesar do fato de que a Donatela fez tudo certinho, não roubou, e mandou o dinheiro dela para fora através do Banco Central. Mas não adianta. Cheguei a ouvir de uma mulher na feira que 'é pior ter R$ 22 milhões do que ser uma assassina'. Isso é chocante." (http://www.jornaldacidade.net/2008/noticia.php?id=11500)

    Como a Globo vai resolver esta rejeição? Fazendo-a com que fique pobre. É cruel.

  • sensacional ser referência mundial em sandália de pneu HAHAHAHAHA.

    Acho que tem um lado de reciclagem que é legal. se as milhões de havaianas fossem feitas de pneu talvez fizesse diferença etc etc etc. Mas é muito engraçado.

  • Dave

    O Brasil é o país da síndrome de coitado, não é? Quer se dar bem, tenha algum problema: seja retardado, estéril, amputado, tuberculoso… Sempre dá certo. Ou se faça de coitado, falando que tem algum desses problemas, que não acha que está pronto pra nada, que a vida é dura, você tem que treinar todos os dias em uma piscina sem água… Pois é. Nosso presidente é alguém que trabalhou a vida toda e tem um dedo a menos. Aliás, quantas vezes você ouve alguém falar "O Lula não terminou nem o fundamental" e alguém aparece dizendo "ahh, coitado, foi falta de oportunidade…"; e o cara ainda ganha simpatia por isso (de alguns, claro).
    Quando aparece alguma iniciativa decente é exclusão. É incrível. Cota universitária não é exclusão, dia da consciência negra não é exclusão, todo tipo de auxílio a negros e deficientes não tem nada de exclusão. Aí fazem alguma coisa para O OUTRO lado e é preconceito, racismo, absurdo, esse país já prejudicou demais os negros, blablablá whiskas sachê blablablá. Qual o problema desse país? A gente chegou em um ponto onde de tanto falarem em preconceito, racismo, colônia, escravidão, pobreza e afins o pessoal botou na cabeça que todo mundo TEM que ser assim e quem nunca foi pobre, deficiente e meia-tigela em tudo que faz é ruim, é chato, é arrogante, não pode?

  • José

    É, o blog é seu, você escreve o que quer. "Retardado", "sorvete na testa", "aluninhos especiais", tudo para ressaltar uma ação governamental infeliz, entre tantas outras. Parabéns, Cardoso. Você conseguiu o destaque que queria. Os ofendidos que se danem. Mas não é meio "baixo" fazer isso? Não é mais ou menos a mesma declaração "surreal" da Secretaria de Educação de São Paulo? E como resolver o problema dos "aluninhos especiais"? Esterilização? Extermínio? Não é do seu interesse, claro. Você está preocupado com o futuro do Brasil. Guardadas as devidas proporções, como Hitler, na Alemanha, em 1933.

      • Ahahaha. Você é mau Cardoso, às vezes me assusta.

        • Cardoso, depois dessa, você virou o meu herói!!!

      • Galeno

        hahah tava demorando pra aparecer um assim. Não conhecia a Godwin's Law. Realmente genial a resposta…

        • Já eu não sabia que essa era a lei de Godwin.

          Realmente, muito boa a resposta.

    • Rejane Pillon Vanzel

      Devemos admitir que, se colocarmos na mesma turma, os superdotados e os "retardados", isto não será proveitoso para ninguém, pior ainda, se as aulas forem ministradas por professores medíocres que não estão preparados para nem um nem outro, o desastre será total. Cada um, quer seja superdotado ou "retardado", merece um tratamento diferenciado e adequado ao seu nível, só assim teremos um ensino eficaz e este será um país de verdade.
      Fica só uma dúvida: Se num futuro próximo nós tivermos uma superpopulação de superdotados e uns poucos analfabetos, quem será o presidente da República?

  • O que dizer pra complementar o que escreveste?
    Impera uma lógica do coitadismo nesse país sem precedentes… não entendo, nem jamais vou entender.

  • Pingback: ISMART - Incentivo Por Mérito | Gerador de Improbabilidade Infinita()

  • Cardoso,

    O fato é o seguinte: Se você incentivar mentes-brilhantes, gente inteligente, gente capaz, etc. Ou se você padronizar as escolas; dá ensino de primeira; tornar pequenos alunos em grandes pensadores; se simplesmente "ARRANCAR" a ignorância do povão, o que acontecerá???

    Acontecerá que esses "burros" de hoje pararia de votar. Aconteceria que esses inteligentes, mentes-brilhantes tomariam os cargos públicos. Fariam com que bandido-credenciado fossem para a cadeia, fariam com que Clodovil queimasse no inferno ao invez de um cargo público. E que Maluf; bom deixa o Maluf.

    É assim que funciona. Infelizmente, a máquina tem o poder. E o poder que quer continuamos burros para sempre… eles dependem de nossas burrices.. eles enriquecem com isso.

    Gente inteligente é perigosa demais.. e o governo tem medo.

    Excelente post o seu.

    Abraços,

  • Concordo plenamente. aliás, lembra diretamente dos jogos olimpicos, onde o importante é ser mediocre, tentar ganhar uma medalhina (de bronze tá ótimo) e se não conseguir, é abrir o berreiro. reflete exatemente como o brasileiro é: acomodado, chorão e invejoso ao extremo, pois se alguém não pode falar a verdade de ser bom neste país, é por causa dos outros terem tanta inveja dele saber de seu pontencial que o tratam como "exibido", "arrogante", etc.
    e eu acho que nossa colonização portguesa foi sim um dos fatores pra esse país ser a merda que é, afinal portugal é um grande país hj em dia né? ;)
    e por fim, um desabafo: eu odeio essa epóca de tudo tem que ser politicamente correto.

  • Esse artigo merece um "Puta merda!" No bom sentido, claro.

    Às vezes eu tenho raiva da visão curta desse governo. Ninguém investe em educação e incentivo, fora algumas iniciativas isoladas e o maldito Criança Esperança, e agora a secretaria de educação resolve barrar um projeto desses?

    E quando eu digo que isso é uma piada disfarçada de país, ninguém acredita…

    • Eu sabia que tinha comentado com o e-mail do Yahoo! por engano. Maldito Akismet! X(

  • Pingback: Chá de Hortelã » Mágoa dos Pais()

  • Felipe

    Realmente Cardoso, no Brasil o incentivo a mediocridade é terrível, vivemos sobre o mito do menino pobre que vira jogador de futebol, até aí é normal, que meninos pobres queiram ser jogadores de futebol…

    Mas o que vemos? Meninos de classe média alta, que tem a oportunidade de estudarem nos colégios mais caros do país, querendo ser o quê? Jogador de futebol…

    Estudar, passar no vestibular de uma boa universidade, se formar, fazer pós-graduações, trabalhar, ganhar e juntar dinheiro, pra poder viver uma vida boa, objetivos que seriam considerados normais em países como Japão e Coréia do Sul, são colocados em último lugar.

    E aqueles que como eu, levam a escola a sério, são os NERDS os CDF'S os certinhos e tantos outros nomes que eu já ouvi, são maltratados, como se fossem criminosos, ao se diferenciar da sociedade imbecil que não leva cultura a sério. Que bom que Gates defende os nerds, ele era um, e hoje é o terceiro homem mais rico do mundo.

    (Merda! Fiquei com raiva!)

    N'way, esse país tá perdido…

    • E qual o problema de querer ser jogador de futebol? O que há de desonrado nisso?

      • Não há nada de errado em querer ser jogador de futebol. O que está errado é sempre escolher a saída fácil. É ter orgulho de não ter o primeiro grau completo. É botar na cabeça de milhares de crianças que basta saber jogar futebol que tu vai ganhar milhões, quando se sabe que são POUCOS que conseguem isso. É dar MAIS importância para o jogador de futebol do que para o cientista. Ambos merecem NO MÍNIMO a mesma atenção e incentivo.

  • Felipe

    Ah, Godwin Ruleia, quando alguém parte para uma comparação como essa, é por que faltam-lhe argumentos mais racionais, ou falta de vontade de pensar em algum…

  • É duro dizer isso, mas esta sociedade foi forjada sem lutas, sem aspirações a algo maior.

    Tudo no Brasil veio de mão beijada. A Inglaterra só aceitou a Independência dos E.U.A. porque futuramente os americanos seriam consumidores da produção britânica. Mas houve guerra antes disso! A Alemanha sempre lutou pela Alsácia-Lorena, mas os franceses nunca deixaram de comercializar com os comedores de chucrute.

    Por outro lado, se apenas a índole do povo fosse fator decisivo para o desenvolvimento, a Austrália nem deveria existir mais, pois inicialmente foi uma colônia prisional britânica.

    A VONTADE de um povo é fundamental. É o querer mais, e é o sacrifício do indivíduo pelo coletivo. Vocês acham que algum brasileiro gostaria de dar seu suor pensando em desenvolver o país? Coloca qualquer um prá aprender determinada coisa, até mesmo em outro país, e com tudo pago pelo governo brasileiro. E diz que na volta ele vai receber um bom salário, mas tudo que ele inventar ou produzir será convertido para o Estado. Alguém se habilita?

    Tem também o problema de administração pública, que é patética… mas o que dói não é só imaginar, mas ter certeza que esse país infelizmente não tem jeito…

  • Leonardo Monteiro

    Como diz um querido amigo meu que esta muito bem na Suiça, "Brasil um país de TOLOS"

    • Leonardo Monteiro

      Faltou a vírgula, hahaha

      "Brasil, um país de TOLOS"

  • Como sempre, de parabéns pelo excelente texto. Mas, o que esperar do país do bolsa-isso-ou-aquilo? O que esperar de políticos que preferem o povo pobre, burro e alienado; apenas para que consigam manter seus currais eleitorais intactos?

    Assim, eles garantem que o povo jamais se questionará suas ações e estará eternamente dependente das migalhas que caem de suas mesas.

    Um exemplo clássico que cito sempre, foi o ocorrido durante o "Plano Marshall". Os países europeus receberam uma "grana preta" dos aliados e, com isso, investiram em indústias e escolas profissionalizantes de alto nível.

    Getúlio Vargas, recebeu uma quantia enorme na época. Gastou com… (curiosamente) sandálias alpargatas para os nordestinos do semi-árido.

    Por aqui, sobram políticos e faltam estadistas.

    Um abraço.

    • Antonio F.

      O Brasil não foi "propriamente" incluso no Plano Marshall. Qual a diferença entre os valores "emprestados" ao Brasil e para os outros países? Qual foi o incentivo para que empresas americanas ajudassem a desenvolver o Brasil. A política americana para manter areas de influência contra o comunismo foi totalmente diferente dependendo da onde fosse! Nos países do 3º mundo era exploração por multinacionais, uns trocados a juros cada vez mais altos! Na Europa e Japão os EUA bancaram inclusive o grande desencvolvimento de empresas 100% locais e com juros mais baixos.
      E afinal da onde saiu essa "história" das sandálias, quanto foi gasto, qual era o porcentual sobre o dinheiro emprestado? Se sua fonte tem a ver com Helio Costa, Carlos Lacerda e outras figuras nada confiáveis da imprensa, apague da sua mente e de seus comentários!

  • Investir em educação nunca foi a praia dos políticos. Por isso que não me surpreende a atitude da secretaria.

    E outra coisa. Mesmo que a ONG não fosse barrada pela secretaria de ensino não ia ter muito sucesso. Brasileiro não gosta de estudar. O garoto quer ser jogador de futebol porque ganha muito e não precisa estudar. Desde pequeno brasileiro vê a educação como um martírio e a escola como um fardo que terá de ser aturado 5 cinco vezes por semana por 15 ou 20 anos. Ultimamente nem tanto, porque se não for para a escola não vai ganhar o bolsa-esmola.

  • Não gosto de culpar governos. Acredito que cada povo tem o governante que merece. Logo, me convenço que, no geral, o povo brasileiro é que é "retardado". Faz tempo que eu penso como você. Isso aqui não tem jeito não. De Gaulle estava certo.

  • Caros, só uma lembrancinha: a comparação com a Coréia é feita há muito tempo – eu lembro de tê-la visto pela primeira vez numa "Veja" milênios atrás… No entanto, quando essa comparação aparece ninguém lembra que existia algo chamado "guerra fria", e que os americanos investiram pesado no Japão – e em alguns pontos escolhidos do sudeste asiático, diretamente ou por tabela – para evitar que o comunismo pegasse lá. Nós, brasileiros, ficamos noutra parte do mundo, mais exatamente no quintal do Tio Sam, e o nosso ensino degringolou mesmo a partir dos anos 70, depois de uma "revolução" e de um tal acordo Mec-Usaid, do qual também não ouço ninguém mais falar. Quanto aos métodos educacionais hoje usados no nosso amado país, em especial a progressão continuada, lembro-me que eles foram "incentivados" por estarem de acordo com a doutrina geral do assim chamado "Consenso de Washington" (cujo lema principal era redução dos gastos públicos), na época dos recentes governos dos srs. Fernando Collor, Itamar Franco e Fernando Henrique. Em resumo, política é isso aí.

    • Bem lembrado. Mas acho que a progressão continuada não é aplicada fora do estado de SP.

  • Cara, sou professor e vejo que as coisas são muito piores que as estatísticas. Que merda. MEsmo entre os considerados "alfabetizados", a maioria não consegue escrever com um mínimo de inteligibilidade ou ler qualquer coisa que não seja escrito para bebês. Nossas escolas estão dando "diplomas" a analfabetos, a mando dos governos que querem índices altos de aprovação. MAs quem se importa?

  • Assisti uma palestra semana passada em que o palestrante (brasileiro, professor de cursos de verão em Londres) perguntaram numa entrevista pra um jornal europeu como eram as coisas aqui no Brasil. Ele respondeu que se Bill Gates fosse brasileiro, estaria até hoje na garagem de casa.

    E se tem uma coisa que eu aprendi com o Alex Castro é que eu nasci aqui por mera obra do acaso. Espera só eu juntar grana o suficiente pra zarpar daqui, ou conseguir uma bolsa de pesquisa pelo CNPQ.

    • Pedro

      Lembra que com bolsa do CNPQ você tem que voltar pra cá.

      • Galeno

        e como se uma bolsa do cnpq rendesse muito tb…

        aliás, tem que voltar pro brasil depois da bolsa, mas dá pra se mandar depois do "tempo de espera". Uma professora minha, antropóloga, me falou que ia fazer isso na semana passada.

        • Pedro

          Você pode não perceber diretamente o quanto "rende" a bolsa do CNPQ, afinal são aproximadamente $1500 para bolsa de doutorado. Porém, o CNPQ arca com todas as taxas e tuition, estes sim um valor considerável…

          E é por conta de "espertos" como a sua professora que a educação está onde está. Se quer ir morar lá fora, que vá se capacitar com seus próprios recursos, ou que aplique para uma das inúmeras opções de financiamento que existem nos Estados Unidos, por exemplo. É fácil mamar nas tetas do governo, que está investindo em você, logo esperando um retorno de sua parte, e depois ir embora.

          Infelizmente esse é um ciclo vicioso. Temos pouco investimento em educação, e os poucos felizardos que recebem investimento do gorverno, que deveriam, uma vez capacitados, dar retorno ao Brasil, justificando o investimento feito e, consequentemente, melhorando a situação da educação no Brasil, vão embora, trabalhar fora do país justamente devido a aqui termos pouco investimento em educação e pesquisa.

          • Galeno

            blablabla whiskas sache.
            Vivemos num país livre, ou seja, onde este tipo de argumento fica muito invalidado. Btw, o marido dela é holandês, e ela vai voltar pra holanda. Independente disso, citei ela como exemplo pq existem inumeros professores que fazem isso, e não ha como julgá-los por querer ter uma vida melhor.

          • Pedro

            Eu não os julgo querer ter uma vida melhor. Longe de mim.

            Só os julgo querer ter uma vifa melhor às minhas custas.

            Simples assim.

          • Às suas custas p*rra nenhuma. De uma forma ou de outra, quem ganha bolsa tem que devolver o investimento.

      • Sim, mas também é possível devolver o dinheiro investido em suaves prestações. Eu acho que vale a pena.

  • Faltou um "disse que" no meu comentário anterior.

  • Adriano Garcia

    Bem, mais cedo ou mais tarde chegaremos nesta discussão às cotas. Ah, é claro, e às reservas-indígenas-convenientemente-localizadas-na-fronteira. Hoje, descontando reservas nacionais, indígenas, quilombolas (acreditam que isso existe?) mais as cidades e locais inúteis à agropecuária, temos um absurdo índice de 7% de estoque de terras ainda aproveitáveis no País.

    Hoje, a verba pública enterrada no ensino superior é, também, usada para "pagar uma dívida social" com os negros. (Oops, ofendi alguém com a palavra "negro"?) Por que não um "cursinho público"? Porque aí teriam que mostrar mérito e isso é "feio"? Não é o que acontece com os demais vestibulandos?

    Alguém lembra dos protestos em SP quando quiseram instituir premiação por mérito entre os professores da rede pública?

    As ditas "minorias" no Brasil quando se reúnem é pra exigir uma esmola ou um privilégio do governo. O problema do brasileiro é, realmente, falta de ambição. Qualquer sinecura, qualquer "dérreau" e ele se vende, com gosto. E também vota, até por menos. Uma camiseta paga.

    • Só discordo do seu último parágrafo, até entre as "minorias" temos gente de consciência.

      Sério, quando vi um dia no "Altas Horas" um grupo a favor da "Consciência Negra" protestanto contra o sistema de cotas, minha esperança pela humanidade deu uma estabilizada. =)

      • Pardo Brasileiro

        O Consciência Negra é só mais um grupo mama tetas, eles dizem que cota é racismo e blá blá blá… todo movimento negro nesse país é de parasitas, tudo é culpa dos brancos… tudo igual.

  • Ontem mesmo eu estava pensando… A China tem equipes de testes de software para várias corporações mundiais, o trabalho deles é porco. Os testes feitos lá não tem sequer 80% de confiabilidade. Mas é tão barato, que as empresas pagam para outros centros revisarem e achar erros dos erros dos chinas…
    Bem, a China prometeu fazer seu próprio processador… muitos riram. Boatos sobre a INTEL colocar uma fabrica no Brasil nem sequer esquentaram a chapa.
    A China, Malásia, Taiwan…. vem crescendo cobrando barato, mas eles cobram para aprender, e não sei onde vi isso… mas a China forma 450.000 engenheiros por ano.
    Nos próximos 2 anos o maior supercomputador será deles.
    E eu me pergunto… como é que um país que cresce 10% ao ano desmata menos que o Brasil? Como um país com mais de 1.5 Bilhões de bocas tem índice de violência menor que o Brasil, não é só em percentagem, é em números mesmo.

    Aproveitando que vc falou em veja… foi lá que vi o livro "A Cabeça do Brasileiro", e não é um livro confiável, mas eu concordo com o resultado exposto, é o brasileiro que não presta.

    E só verá mudança quem esperar por uma grande convulsão social, e ver o povo subindo o planalto para decepar a cabeça do próprio sujeito que a massa colocou lá.

    Tá achando ruim? aeroporto!

    • Pedro

      Chantinon,

      concordo com o que você disse, apenas cuidado nos dados em que você está se baseando.

      Você confia nos números divulgados pelo governo chinês? Não seria este mesmo governo que cerceia a liberdade à informação, onde dissididentes e contrários ao regime são presos e mortos? Não foi este governo que colocou outra criança para dublar na abertura das olimpíadas porque a menina que sabia cantar era feinha e tinha os dentes tortos?

      Se o cardoso tivesse feito este post lá, reclamando do governo do partidão, podia dar uma última conferida nas fotos da Luciana Vendramini que era tiro na nuca com certeza.

      • Diferente da Rússia que mentiu por 30 anos, a China JÁ É a maior potência do mundo.
        Eles mentem, eles mandam bala, eles levam um carro da GM dos EUA e COPIAM todas as peças, eles são populistas, são escravistas, mas compram quase todo o ferro do mundo, o arroz, e muito mais.
        Você acha que um país que tem a cara de pau de copiar um carro americano por completo tá preocupado em ética ou segredo industrial?
        As placas-mãe da DELL, IBM, SUN, CISCO e tudo que se imagina de TI hoje é feito na China ou em fabricas de Chineses (Malásia, Taiwan, Vietnã…)
        Eles aprenderam a fazer processador, o que não é fácil, e nos aqui com toda nossa "liberdade" aprendemos o que?

        Aqui pra nós… Lulinha e os homens de Brasília não lêem blog, nem sabem ler, e mesmo que o Cardoso sugira tratarmos os deficientes como os índios, enterrando-os vivos, no máximo será acrescido mais 50 comentários… E aqueles deficientes mentais que ganham bolsa miséria continuarão definindo o destino de tudo… Não preciso falar que quem está no poder não ganha nada melhorando o bananal.

  • PQP, eu é que deveria ter escrito isso. E a muito tempo. Cara, espero que tu enriqueça, só escrevendo bem. Vou emoldurar este post e coloca-lo na sala.
    Um amigo meu foi ao MIT em agosto fazer um recital. Ele falou (não conferi pra ter certeza) que o MIT tem um orçamento anual de U $ 9,000,000,000.00 (nove bilhões de dólares, só pro MIT). Isto é irreal aqui no Brasil, é algumas vezes o orçamento de Porto Alegre. Mas deve ir algo assim pro futebol.
    – $9.000.000.000,00 para educação: dezenas de Prêmios Nobel
    – $9.000.000.000,00 para o futebol: "- A bola foi indo, foi indo, e… iu."

  • Galeno

    Ah Cardoso, mudando o viés da questão, tem uma coisa que eu queria comentar:

    "Eu faço um bom blog com o OBJETIVO de ganhar dinheiro"

    Ok, hoje seus blogs são famosos. Mas em qqer blog iniciante, convenhamos que não é assim. No que fica perfeitamente compreensível a mentalidade:

    "se você faz o blog, é bom, e por causa disso ganha dinheiro, tudo bem. Você não está fazendo para ganhar dinheiro, o dinheiro é conseqüência”.

    Ah não ser que vc já seja famoso/reconhecido de antemão, não vai começar um blog esperando ganhar dinheiro. Se vc escrever bem, se seu blog fizer sucesso, dinheiro vai acabar sendo consequência.

    • NÃO!

      Desde o PRIMEIRO DIA meu objetivo foi ganhar dinheiro. Quando você monta uma empresa ela leva uns dois anos para chegar no zero-a-zero, quando você abre uma loja durante um bom tempo você ganha pouco ou nada, precisa COLOCAR dinheiro nela para permanecer aberta até ter clientela.

      Você vai dizer que a loja não foi aberta para ganhar dinheiro e o dinheiro é consequência?

      • É por isso que eu sempre leio o about dos blogueiros que leio: para não falar bobagem

        Manda ele ler isso aqui Cardoso.

      • Galeno

        Bom Cardoso, acho provável que vc se inclua na categoria dos "reconhecidos de antemão" que eu citei. E veja bem, não é que eu discorde de vc, acho que ganhar dinheiro com blogs era uma evolução natural. Talvez eu tenha uma postura um pouco retrógrada ao não conseguir comparar a criação de um blog com a de uma empresa, mas ainda acho o problogging uma alternativa incomparavelmente muito mais arriscada de se ganhar dinheiro. Pelo menos já tivemos pioneiros, como vc, para abrir caminho.

        • José

          Outro caso de sucesso é a Bruna Surfistinha, que também "deu" certo!

  • Dan

    É um absurdo mesmo não querer investir na educação.
    Eu vi o cara que inventou essas sandalhas, é um cara humilde, sorte dele que alguém acho boa a idéia

  • Nossos sinceros aplausos. E inveja profunda de não ter escrito este artigo.

    Aí está nossa piada disfarçada de país. Educação? Investir nas grandes mentes do futuro? Incentivo à pesquisa? Jamais, porque o retorno demora mais de dez anos, e aqui política se faz em dois, no máximo quatro anos. É difícil até saber de quem é a culpa…

    Excelente, caro Cardoso. Excelente.

  • Caros, me parece que aqui há um consenso: os brasileiros não prestam (os outros, não eu, é claro), os políticos (aqueles em que eu não votei) não prestam e a saída passa por Cumbica. Só fico com uma dúvida: se o Brasil é assim tão ruim, com um povo tão porcaria, basta sair dele, pois afinal aqui não é Cuba – assim, o que está fazendo todo esse pessoal aqui ainda? Ganhando dinheiro? Esperando a oportunidade certa (uma bolsa do CNPq, talvez)? Por laços afetivos e emocionais? Sei não, mas isso me lembra uma sessão de descarrego: a gente xinga o demônio, grita em coro que só Jesus salva, e depois volta para casa, com tudo igualzinho como era dantes, mas com a alma mais leve… Ah: só lembrando – ir para outro país é fácil, fácil, custa aí uns três mil reais, no máximo.

    • Então dê um solução Sr. Sabe-tudo.

      • Não sei tudo não – parece que outras pessoas sabem mais. Eu só quase não vejo ninguém aqui propondo nada muito construtivo, tipo ajudar a melhorar o ensino no país (coisa que eu faço, por opção pessoal). Certamente, reclamar é mais fácil do que tentar fazer algo.

    • Leonardo Monteiro

      "Ah: só lembrando – ir para outro país é fácil, fácil, custa aí uns três mil reais, no máximo."

      PIADA né ?

      Fácil ? Acho que você nunca sequer saiu do Brasil e sequer tentou, ou conheceu alguém que já tentou morar lá fora.

      Faz uma pesquisa antes de falar merda, que tal ?

      h3h3

      • Você não me conhece: eu já saí do Brasil e conheço um bocado de gente que viveu e vive lá fora. É fácil sair do Brasil sim: um de meus melhores amigos está na Europa agora; minha melhor amiga de faculdade mora hoje na Holanda.

    • Quando foi que a ditadura reassumiu e o slogan "Brasil, ame-o ou deixe-o" voltou à ativa? Muito bom…

      • A ditadura passa longe de mim, meu caro: o que eu disse não foi nada do que você aparentemente entendeu. Eu só comentei o que vi aqui, que é o seguinte: se tem um monte de gente incomodada, dizendo que o Brasil é uma porcaria, um inferno sem futuro, então o que fazem no Brasil? Será que gostam do inferno? (Se vc já leu Sandman, vai ver que isso é bastante possível).

    • Existe uma diferença entre somente achar uma merda e acreditar que dá pra mudar. Acho que os que se manifestaram aqui (na maioria) acreditam que dá pra melhorar. Mas mesmo que tivéssemos o plano perfeito pra isso, como colocar em prática? Quantos por cento da população tem discernimento pra mudar alguma coisa? Mais da metade é analfabeto funcional! Nestes casos, a ignorância É SIM uma benção, e nós percebemos que isso aqui é uma bosta. Pra quem vive de bolsa-família é o paraíso.

      • Uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa. Acreditar que dá para melhorar (o Brasil, o mundo, a seleção brasileira, qualquer coisa) acho que muita gente acredita, mas isso não significa que esses 'crentes' estejam a fim de se sacrificar por essa melhora. Vejamos: não existe meio mágico de criar dinheiro e riquezas. Logo, se HOJE as pessoas quisessem acabar com a pobreza no mundo – algo que muita gente acha que pode e deve acabar – as riquezas atuais teriam que ser aumentadas e/ou distribuídas de forma mais equalitária. Para fazer isso, algumas pessoas teriam que trabalhar mais, e algumas teriam que trabalhar ganhando menos e/ou dividir alguns dos seus benefícios atuais, o que implica, em todos os casos, em algum tipo de sacrifício. Ou seja, quando será mesmo que a pobreza vai acabar já que é tão fácil? Quanto ao caso específico da educação no Brasil, é verdade que somos um país de analfabetos funcionais: qualquer plano – perfeito ou não – que se pretenda usar no Brasil deve levar isso em conta. Mas dá para fazer também, além de projetos 'maravilhosos', coisas puntuais, locais, formiguinhas. Por exemplo, ir nas escolas dar palestras sobre o seu trabalho (ah, é, eu já fiz isso), cortar o mato da escola, etc. Outro exemplo: não custaria muito que um cara brasileiro que trabalhasse na colaboraçao do LHC ajudasse também a tentar melhorar o ensino público no país. Bem, isso acontece de fato: há um grupo (de físicos) ligado ao LHC que criou e enviou material didático para todas as escolas do país (http://www.sprace.org.br/eem/home/Projeto), já que o nível do ensino aqui não é dos mais elevados. O curioso é que não vi uma única linha sobre isso na imprensa…

        • Estamos chegando em algum lugar! Eu não acho curioso que a imprensa (pelo menos a tradicional) não fale sobre a maioria destes esforços individuais, pois a gente sabe que o governo quer mais é gente burra, massa de manobra. Quanto à se sacrificar, será que precisa mesmo? Não basta que eu viva de uma maneira "correta"? Eu pago todos os meus impostos, não destruo patrimônio público, não consigo as coisas na base do "jeitinho", escolho muito bem antes de votar e estou me esforçando pra ter um graduação (e depois pós-graduação) em Biologia pra poder PRODUZIR conhecimento que vai render pro país. Eu faço a minha parte, isso já não chega?

          • Note que há um pequeno problema com o "eu faço meu trabalho, pago meus impostos e não preciso fazer mais nada". Se os problemas sociais do Brasil fossem pequenos e poucos, tudo bem, mas não são. Assim, querendo-se que o país melhore só trabalhar e pagar impostos não vai resolver. Exemplo: faltam professores de ciências nas escolas públicas. E daí? Bem, faltam professores por uma razão simples: estudar ciências "é difícil" (não acredito nisso, mas as pessoas, de uma forma geral, acham isso), e o salário, no fim, é baixo, e continuará sendo por muito tempo. Eu, para usar minha história pessoal, podia tar matando, podia tar roubando, podia ser adevogado ou médico ou ingenheiro, mas decidi ser professor, mesmo sabendo que com isso ganharia bem menos do que potencialmente se eu escolhesse outra carreira. A maioria das pessoas não faria – e não faz – esse tipo de sacrifício. Prefere pura e simplesmente dizer "eu quero é ganhar dinheiro" (na minha família eu sou visto como otário). Mas nem tudo é dinheiro (existem também o cartão de crédito e os cheques, e etcetera e tal). De qualquer forma, acho que você não entendeu meu argumento anterior: imagine o quanto é o mínimo necessário para uma pessoa viver com dignidade, multiplique esse valor pelo número de pessoas do mundo, e compare isso com as riquezas atuais do mundo – deverá haver uma sobra: quem irá merecer essa sobra e quem deverá viver com o mínimo? Cada um vai querer puxar a sardinha para o seu lado, e poucos, muito poucos, vão querer a vida apenas com dignidade: as pessoas querem riqueza acima do necessário e, por isso, em grande parte, existe a pobreza (excluindo-se aí a vagabundagem, a má-sorte, a má-vontade e coisas do gênero). Ah! outra coisa: "o governo" não é uma entidade maligna separada da sociedade – o governo é composto por pessoas da sociedade, eleitas (acho que não vivemos mais numa ditadura). Se vc acredita que o governo não quer que as pessoas melhorem, isso quer dizer que vc acredita que a elite da sociedade não quer que as pessoas melhorem, o que pode ser verdade mesmo.

          • Eu entendo o seu argumento, mas me parece ( e eu posso estar enganado) que a carga tributária que nós pagamos seria suficiente para resolver os problemas sociais SE o dinheiro não fosse desviado e mal administrado.

  • Pingback: Para onde vamos? - Abobrinhas e Legumes em Geral()

  • Guilherme

    "É difícil de acreditar. De um lado temos uma ONG que quer identificar os Gênios que podem alavancar o pais para o futuro. Do outro uma secretária de educação que quer privilegiar o pessoal do sorvete na testa."

    SORVETE NA TESTA?!?!?! huahuahuahuahua. As suas palavras foram um tanto duras, mas acho que boa parte das pessoas concordam com ela e não teriam coragem de lançá-las à aprovação popular. Com certeza concordo com oque disseste a respeito da necessidade de incentivarmos estudantes de baixa renda com capacidade intelectual superior a da maioria. Mas também o "pessoal do sorvete na testa" não precisa necessariamente ir para escolas sucateadas para que isso ocorra, não é mesmo?

    Primeira vez que leio teu blog e achei o texto muito bem estruturado e de conteúdo muito relevante. Pretendo passar por aqui mais vezes. Parabéns pelo post de qualidade e continue ganhando seus trocados honestos com adsenses hahahah

  • Já notou que por mais pobre , fudido e desgraçado que seja, o brasileiro sempre gosta de achar que tem outro “mais necessitado” que ele ? Dessa forma se ilude tentando encobrir sua incapacidade. Adora achar o outro coitadinho , retardado , leproso, aleijado… pra que possa se sentir importante de alguma forma.

    O brasileiro está pouco se fudendo se ele próprio é bom ou não, o que importa é que tenha alguém pior. A mentalidade geral é essa!

    Povo Invejoso falso e sádico.

    E se alguém tenta fazer uma coisa decente nesse país, tá ferrado.

    Concordo com o morróida em gênero , número e grau:

    Povo medíocre e vagabundo merece mais é se fuder mesmo.

    • É como disse o Tom Jobim: Sucesso no Brasil é uma falta de respeito.

  • Concordo com a questão principal abordada no tópico: neste país, ter algum sucesso é quase um 'pecado'.

    Quanto ao termo utilizado (retardado), o dono do blog faz o que bem entende; quanto à mim, se o uso de uma palavra, no lugar de outra, causar menor dor ao deficiente ou a seus familiares, não tenho problema algum em usá-la; apesar de achar que excesso de 'politicamente corretos' é um tanto quanto chato e inócuo. Uma pessoa é cega? Chamá-la de 'portadora de deficiência visual' não minimizará seu problema. Mas se a pessoa se mostrar desconfortável com o termo, minha postura pessoal seria evitá-lo. Isso é uma postura pessoal.

    Não que isso signifique que os portadores de necessidades especiais, por tais motivos, devam ter privilégios frente aos demais.

    Abraços!

  • Confesso que nunca tinha parado para pensar no absurdo que é priorizar a educação dos portadores de Sindrome de Down. De fato, é uma iniciativa bonita e tal. Mas o Brasil está cheio de iniciativas bonitas. Pessoas com Síndrome de Down têm problemas cardíacos e, no geral, não vivem muito. Não tanto quanto uma criança normal pode viver. E o que eles têm para oferecer ao mundo? Só casos bonitinhos de deficientes que se sobressaem entre eles mesmos.

    E eu concordo: aqui quem se sobressai e tem consciência disso, é tachado de arrogante. Você tem que agradecer e dizer que não é isso tudo. Você tem que ser falso para ganhar o respeito das pessoas. Isso existe?

    Excelente blog, Cardoso.

    Abraço!

  • Excelente blog! Já linkei!

  • Vinícius Oike

    Excelente o texto, lembro de ter lido na VEJA. E sinceramente, não se pode esperar muito do país que quando algum atleta chega a final comemora: "A prata ta garantida!"

  • Rejane Pillon Vanzel

    Cardoso: Eu voto em ti para presidente da República.

  • Prezado Cardoso

    Julgar que alguém com síndrome de Down seja um mero “retardado”, sentenciar que é “uma criança com dificuldade de aprendizado que nunca terá a mesma habilidade de uma criança normal”, não passa de uma discriminação presunçosa, baseada apenas nas habilidades cognitivas do ser humano, sem levar em conta as habilidades emocionais e espirituais. A mesma visão arrogante tinham os colonialistas ingleses a respeito de Gandhi, "um imbecil de fraldas" que acabou levando a Índia à independência. Esse tipo de descarrego (como bem descreveu Stephen Dedalus) virtual não vai melhorar em nada a péssima qualidade da educação no Brasil. Pelo contrário, só ajuda a embrutecer os brutamontes de plantão e semear a intolerância entre os arautos da eugenia e da solução final.

    • Julio,

      Olá.

      Desculpe a intromissão, mas gostaria que vc, se possível, conceituasse essas 'habilidades espirituais'.

      Abraço!

      • Fátima,

        quando mencionei habilidades espirituais, tentei fazer referência ao que o Aurélio interpreta como "a parte imaterial do ser humano". O mesmo Aurélio diz que a "pessoa dotada de inteligência ou bondade acima do comum: É um grande espírito". A bondade é um bom exemplo de habilidade espiritual. E, a propósito, o desenvolvimento espiritual de uma pessoa não tem nada a ver com religião. O indivíduo pode ser ateu, agnóstico ou portador de alguma deficiência e ser um grande espírito.

        Um grande abraço!

    • Tá, então me mostre um portador de Down que esteja na mesma série escolar das outras crianças da sua idade. Ou um que consiga cantar uma canção do Sinatra. Ou um que consiga jogar Spore.

      Desculpe, não é culpa minha. O Universo foi cruel com eles, fingir que são normais não vai ajudar, só vai atrasar quem é forçado a estudar junto com eles. Essa sua postura inclusive conforme demonstrada pelos FATOS apresentados no texto, JÁ prejudicou os alunos que poderiam ter sido beneficiados pela fundação ISMART.

      Quanto a Gandhi, ele não tinha um um cromossomo extra.

      Fátima, as "habilidades espirituais" devem ser o que faz essas criancinhas maravilhosas não limparem a bunda sozinhos até os 25 anos.

      • Cardoso

        A genialidade extraordinária de Gandhi residia justamente em aliar suas habilidades intelectuais e espirituais. Enquanto sua mente prodigiosa desenvolvia a tese da desobediência civil, seu espírito excepcional defendia o aparente paradoxo de uma luta ao mesmo tempo obstinada e não violenta. O Mahatma (Grande Alma) jamais trataria um deficiente com o inacreditável furor instilado em algumas considerações jocosas. Você, sem dúvida, é proprietário de uma mente arguta e de uma verve poderosa. Para defender projetos importantes como a ISMART, não precisa alijar os portadores de Down dos benefícios da civilização. Com o volume fantástico de impostos arrecadados, o Brasil deveria dar oportunidade para todos, desde que houvesse aglutinação, ao invés de apartheid, para poder exercer uma pressão legítima sobre os governos e não perdessemos nosso tempo discutindo se o país deve aplicar o dinheiro nos menos favorecidos pela sorte ou para desenvolver uma raça superior de cérebros bem dotados. Uma nação justa e desenvolvida é aquela que tem espaço para todos, deficientes e hiper-eficientes.

        Um grande abraço.

      • Calma. Ninguém precisa sacrificar as criancinhas com síndrome de down. Vamos lembrar do porquê somos considerados (em tese) seres humanos. Só que cada um precisa ter seu espaço. Gênios existem para ajudarem as pessoas, inclusive as portadoras de necessidades especiais. Há lugar para todos desde que haja lugar para o bom senso.

        Abs!

        • Olá!

          '…Gênios existem para ajudarem as pessoas…'

          Quem disse?

          Não concordo, acho que eles existem simplesmente por existirem. Colocar nos ombros de uma pessoa que nasceu com um talento ou capacidade especial a responsabilidade de cuidar ou ajudar outros é cruel e injusto.

          Não olvido, porém, que a cooperação é que permite a coesão da vida social, mas é uma cooperação em que todos recebem algo em troca. E o que uma pessoa 'genial' receberia em troca de sua benevolência gratuita e desinteressada num sistema em que fosse 'obrigada' a ajudar os outros?

          Em tal sistema simplesmente tais pessoas buscariam esconder suas qualidades para livrar-se de tal encargo demasiado pesado.

          Abraços!

  • Cardoso, parabéns pelo texto. mesmo.

    quanto a polemica do retardado, se fosse indio nem passaria da primeira semana de vida. na maioria das tribos, nasceu 'com defeito' eles matam. nao tem o que discutir. é a cultura deles. pra eles, tá certissimo.

    a nossa cultura é a do eufemismo, a do 'portador de necessidade de alguma coisa', a do 'afrodescendente'. é triste.

    falta MUITA vontade politica. falta MUITA visão. talvez pq seja conveniente como está. talvez porque as vozes certas estejam abafadas. e quando eu vejo um discurso de sete de setembro da gangue-dos-nove-dedos em horario nobre SÓ sobre o pre-sal, o desgosto é enorme. é ver que estamos indo pra trás ao som de uma voz acolhedora dizendo que nunca estivemos tao bem.

    att, @lucaspetes

    • "ver que estamos indo pra trás ao som de uma voz acolhedora dizendo que nunca estivemos tao bem."

      Isso me dá arrepios! igualzinho o futuro sombrio previsto por George Orwell em 1984.

      O Cardoso que se cuide! daqui a pouco vc vai virar uma "Impessoa" por causa de suas "Crimidéias" heheh!

    • Uhm, interessante essa "polemica do retardado": acho que eu se fosse índio, não passaria da primeira semana de vida, afinal precisei de antibióticos e de UTI neo-natal e coisas assim. Aliás, índio morre de gripe, não é? Assim, numa sociedade idealizada desse tipo, não haveria nem retardados, nem doentes de tipo algum: deixa a natureza cuidar deles… Quanto aos "afrodescendentes", eu estudei na USP e quase não via negros por lá (ao menos no meu curso) – acho que não é por culpa de algo no genoma deles mas sim por conta de algo histórico. E como é que se corrige uma deficiência histórica? Deixa a natureza – ou o mercado – cuidar dela? Note tamém que o pessoal que vc chamou de "gangue-dos-nove-dedos" não está no governo do Brasil há séculos: o que os governantes anteriores fizeram para melhorar o país, de verdade? O ensino antes era bom e só agora ficou ruim? Não sei se há falta de visão, não. Talvez haja um outro tipo de visão: como você acha que a nosssa sociedade chegou ao ponto de termos TVs em quase 100% dos lares? Não é curioso que a maior rede de TV do país tenha quase a mesma idade do golpe que levou os militares ao poder? Se vc for curioso mesmo dê uma googleada usando as palavras "Globo" e "Time-Life"…

  • Pingback: Chega de educacao progressista « Periscópio()

  • O texto é ótimo, triste e verdadeiro.
    Brasileiro é o eterno coitadinho – mas acredite – muita gente graúda prefere assim.
    Investir em educação e cultura no Brasil é um "luxo" para poucos.

    Uma pena.

  • Sohakes

    É inútil, muita gente já fez esse tipo de protesto, mas só tem gente burra no governo pelo amor de Deus. Algo do tipo só vai dar certo quando alguém com o mínimo de inteligência virar político.
    Por que pessoas burras são as que mais recebem votos? Não falo do Lula, eu acho que o Lula é burro, mas não fez nada de ruim para o Brasil também, ele simplesmente dá mais foco aos pobres, acha melhor diminuir a taxa de pobreza do que melhorar a educação (o que não é tão errado). Digo, gente que não quer ouvir, que não quer nem tentar ver a verdade, tem neofobia, não quer mudar, ou ainda não investe em educação pois sabe que isso não vai realmente melhorar sua imagem em tempo pra se reeleger (investimento na educação só dá retorno em longo prazo, quando as "mentes brilhantes" começarem a aparecer, e quando o "povo educado" começar a aparecer nas estatísticas)

    Na minha escola por exemplo, eu vi esse tipo de palestra (foi antes de ontem, eu estou no primeiro colegial, só pra vocês verem):
    "O que vocês estão fazendo aqui? Obviamente estão se preparando para ingressar no mercado de trabalho, na indústria, e vender sua mão de obra, não é mesmo? Ou vocês estariam fazendo coisas melhores na casa de vocês."

    Não lembro a razão, mas o cara que fez a palestra também disse isso um pouco depois, não exatamente, mas foi algo assim:
    "Hoje as pessoas dão muito mais valor a capacidade de se relacionar, do que a inteligência. Vocês não são gênios, gênios são egoístas, egocêntricos, e não tem capacidade de se relacionar, então não servem como mão de obra, trabalham em centros de pesquisa, e não fariam o técnico para trabalhar na área industrial"

    A minha escola tem o técnico também, mas não é integrado. Uma coisa boa é que eu não fui o único a perceber o deslize dele… Acho que ele falou sem pensar, sei lá, mas soou estranho, parecia que ele estava chingando todo mundo de burro, e muita gente pensou assim também. Ele falou muitas outras idiotices também, e alguma coisa ou outra interessante, bem típico de livro de auto ajuda.

    Não sei, nunca ouvi uma palavra de incentivo, dizendo que a gente pode ser mais que meros trabalhadores em uma indústria. Os professores, e aliás, ninguém, acredita em "nosso" potencial, no potencial dos estudantes…

    Vai entender, é um fato muito estúpido, mas é verdade.

    (acho que viajei um pouco no comentário, espero que ainda esteja legível)

  • O problema é que, como a Carol citou, a preguiça é o mal do brasileiro. Assim que alguém começa a ganhar destaque, as outras pessoas começam a achar isso ruim, criando barreiras para seu desenvolvimento.

  • Não tem jeito, brasileiro gosta de ser pobre, burro e desdentado, gosta de "cachaça", gosta de futebol no sabadão ou domingão, gosta de "sair por cima" passando a perna nos outros, gosta de bolsa-esmola e não gosta de trabalhar.
    Este é um terceiro mundinho de merda, com pseudo intelectuais (Paulo Coelho é um deles), pseudo artistas, pseudo pensadores, pseudo educadores e pseudo políticos, temos um bando de idiotas governados por outro bando de idiotas.
    O Canadá ainda está "importando" brasileiros?

  • Arauca

    É phoda ficar limitado pq os demais não seguem seu ritmo.
    É phoda desperdiçar talentos pq não há como detectá-los e desenvolvê-los.

    É phoda aturar o analfabetismo funcional de grande parte do povo brasileiro.

    Realmente a cultura da mediocridade é um grande mal que assola o país, ninguém pode se destacar ou ser bom em algo e assumir essa posição que logo é mal visto.

    I fully agree with Cardoso.

  • Ola,

    RETIRAR MINEIRO DO SOLO EXIGE MUITA TECNOLOGIA E DA MUITO DINHEIRO, FAVOR SE INFORMAR!

    o resto do texto ta bom…
    obrigado,
    Thiago Roberto

    • Uma pá é tecnologia avançada?

      • Digo a você companheiro, e universitário formado?se sim o mais provável que nunca foi há uma mineradora, não falo do que eu não sei, já fui e já presenciei, se reclama de educação e falam uma besteira dessa? façam sua parte! estude o que fala pelo menos!Não vou ficar aqui apontando links com matérias para você diante de tamanha besteira que respondeu.

        abraços,
        Boa Sorte na Proxima!

    • Primeiro: não grite.
      Segundo: De nada adianta só extrair o minério e não ter tecnologia para processar.
      Terceiro: Mineração gera dinheiro pro dono da empresa, mas não gera RIQUEZA para o país. Favor se informar.

      • Primeiro:Amigo não foi minha intenção gritar, era só para chamar atenção para tamanha injustiça na difusão de informação errada, desculpe!

        Segundo:Amigo, você sabe o que e processar minério?(não vá procurar no google nesse momento por favor!), já presenciou? Sabe o que estudo de solo?Sabe a tecnologia que e envolvida no processo?sabe onde essa tecnologia e desenvolvida?sabe para onde ela e exportada?

        E dono de mineradora?tem uma so pra você?não tem empregados nem precisa de fornecedores nê?você trabalha sozinho com uma pá e rico!SEI!

        Há me informar de que?

        Tal comentário sem base não merece uma replica bem formulada, me desculpe!

        Abraço,
        Thiago Roberto

        • Eu não sou seu amigo e sei como é o processo produtivo de mineração. Deixa eu ser mais claro: ao invés de exportar matéria-prima o Brasil deveria investir na indústria nacional para que a gente possa exportar PRODUTOS com valor agregado.
          Isso ia gerar empregos e aumentar a qualificação da mão-de-obra. A parte do "dono de mineradora" e etc eu não entendi o que tem a ver com o que eu escrevi.

          • Amigo e só uma forma de tratamento cordial, se e que me entende ,nada pessoal contra vc ok? só pontos de vista!
            Amigo estude, você esta no pre-primario?
            acha que fácil assim desenvolver tecnologia?

            Seu comentário e muito superficial, simplesmente para e começar a fabricar?Tem que ter demanda, tem que ter mão de obra, ter que ter MATÉRIA PRIMA e ainda sim estaremos a 30 anos atras dos países desenvolvidos, e nosso custo será bem mais alto e não haverá possíveis compradores e viraremos chacota!Mas isso e um resumo, pois a faze do Silício já era, agora teremos a nano-tecnologia com ouro, mas ai já e outros 500, mas há estudos em universidades, quem sabe dessa vez conseguiremos!

            Sobre não entender meu comentário, já era esperado.

            abraço,
            Thiago

          • Bom, você já está partindo para a ofensa pessoal, o que não é um bom rumo para esta discussão e um claro sinal de que os argumentos estão acabando. Com licença que eu tenho mais o que fazer.

      • Pardo Brasileiro

        Só uma correção. Qualquer empresa gera riqueza ao país. Por emprego e por criar know how. Essa mentalidade marxista só atrapalha.

    • Antonio F.

      Tecnologia q vem da onde? Quanto pagamos por ela? Que equipamentos usados na mineração são fabricados no Brasil?Com tecnologia brasileira? Sem excessivas remessas de lucro para o exterior sem reinvestimento? Brasil exporta minerio e soja como exportou café, açucar e pau-brasil, nada mudou, continuamos com pensamento de colonia e economia de colônia! Exportar commodities como base economica é ridiculo! Sim, temos q exporta-los, mas a base economica teria q ser produtos beneficiados e capital financeiro baseado em empresas desses produtos e serviços associados, commodities só da dinheiro pra poucos, os impostos são infimos comparados com maquinas e capital! Vide Alemanha,EUA, China, Japão e os outros "top" exportadores e "top" economias.

      • Pardo Brasileiro

        Não seja por isso, palhaço, o Brasil fabrica aeronaves e vende la fora, já que aqui não tem mercado pra ela. Você acha que americanos são burros igual os brasileiros? Acham que ele reclama de comprar um avião brasileiro e dizer "onde estão os aviões americanos?". Você tem a mesma mentalidade do povo burro desse país.

  • Você exagerou nessa parte dos "retardados". Falta de respeito e sensibilidade. Seu blog é ótimo e tudo, tanto que faz esse sucesso, mas não há desculpa para uma colocação dessa forma, nem mesmo para salientar a incoerência na administração pública, afinal, há formas mais inteligentes de se fazer isso. Se você tivesse alguém na sua família com essa deficiência, teria uma compreensão diferente desse assunto e provavelmente não escreveria dessa forma nem de brincadeira, nem para ressaltar uma idéia ou pra qualquer outra coisa. E olha que eu odeio essa história de politicamente correto, realmente odeio, todavia acredito que há certos limites que não devem ser transpostos, ainda mais nessa área, tão delicada.

  • Pingback: Chega de educação progressista! « Nascido no Brasil!!!()

  • A maioria dos brasileiros são iguais aos baianos(não todos tb)
    Quando fui a Porto Seguro na ressaca do Carnaval, perguntei ao cara que vendia cerveja em lata, por qual motivo ele estava fechando sua barraca 1 hora da manhã, se o lugar ainda estava cheio e só ficaria vazio as 4..5 da manhã. Ele riu e falou, meu filho, baiano só trabalha o suficiente pra viver o resto é diversão, também sou filho de Deus, vou tomar as cervejas que sobraram e curtir a festa.

    Pobre baiano, as latas vendidas e o lucro que ele conseguiu só serviu para pagar o prejuízo das latas que ele bebeu, após ter fechado sua barrada. Depois eu garanto que ele reclamará que nada dar certo, e que não tem dinheiro pra nada.

  • Prezados

    Claro que o Brasil tem sérios problemas de educação. E o reflexo disso dá pra perceber aqui mesmo, neste rol de comentários majoritariamente retrógrados e deselegantes. Salvo algumas exceções, parece um congresso de extremistas da ala direita do Partido Republicano, com opiniões tão arcaicas que deixariam Sarah Palin ruborizada. Para criticar é preciso ter conhecimento. Então, que tal conhecer um pouco mais o Brasil? Que tal perder um pouco de tempo e pesquisar sobre tecnologia brasileira? Vou citar apenas quatro sites interessantes:

    A Helibras é a única fabricante de helicópteros em toda a América do Sul.

    A Nuclep permitiu que o Brasil se tornasse um dos poucos países que detêm a tecnologia de construção de submarinos.

    A Petrobras é uma das poucas empresas do mundo com tecnologia para explorar petróleo em águas profundas (e cada vez mais profundas).

    A Embraer, uma das maiores empresas aeroespaciais do mundo, já produziu quase 5 mil aviões, que hoje operam em 78 países, nos cinco continentes.

    Abraços e boas pesquisas

    PS: Tentei incluir as urls dos sites para facilitar a pesquisa mas não foi possível.

    • Extremistas? Eu odeio perder tempo… mas…

      A Helibras não é uma empresa nacional, é uma corporação global, que o controle é de estrangeiros.

      Submarino? Isso só pode ser piada, quantos submarinos temos construidos? E a tecnologia embarcada é de quem?

      A Petrobras está no centro de muitos escandalos que ainda estão por vir. Você nunca se perguntou pq uma empresa que não tem concorrentes gasta tanto com propaganda?
      Ah! E nos EUA o petróleo quem vem na base de guerras e do outro lado do mundo, ainda assim produz uma gasolina melhor e mais barata que a nossa.

      Embraer é realmente a única que podemos nos orgulhar. E gostaria que os nacionalistas/petistas/alienados me explicassem pq o avião do Lula não é da Embraer.

      • Rafael Netto

        Falou-se nessa história quando foi comprado o A319CJ. Pelo que foi divulgado, o governo chegou a entrar em contato com a Embraer e esta prontamente recusou o pedido, uma vez que não dispõe, nem em projeto, de um modelo de avião capaz de atender aos requisitos (viagens intercontinentais). Por outro lado cogita-se adiquirir uma versão de um E-170 ou 190 para substituir o 737-200 "Sucatinha" que é usado dentro do país.

    • "parece um congresso de extremistas da ala direita do Partido Republicano, com opiniões tão arcaicas que deixariam Sarah Palin ruborizada."

      Daqui a pouco você vai falar que as opiniões emitidas aqui são puro "autoritarismo de direita", que nem o Eduardo escreveu no texto dele.

  • Rafael Netto

    Cardoso, sei que o post já ficou velho mas ele daria uma boa "ponte" com aquele dos Jogos Olímpicos, se analisarmos o desempenho do Brasil na Paraolimpíada. Os resultados dos para-atletas brasileiros estão sendo, em termos relativos, bem melhores que os dos atletas "normais", o que de certa forma comprova aquela idéia de que no Brasil incentiva-se mais os deficientes do que os superdotados.

    • Antonio F.

      O Brasil vai melhor nas paraolimpíadas, não pq há incentivo maior. Não tenho os números, mas acredito q a vantagem dos atletas para-olimpicos é q eles realmente sabem o q é ser um "fudido" num país de merda. Eles realmente tiveram q lutar pra conseguir chegar onde estão, quer seja de deficiências de nascimento, infância ou já adquirida na fase adulta. Não me venham os atletas "normais" dizer que eles tmb lutaram, pq aposto q tiverm mil vezes menos dificuldades, preconceitos, etc. A vida é foda, ñ sejam "Boças", pq todo mundo se fode pra chegar em algum luar, ainda mais aqui.
      Adapções e conciêntização em massa são conceitos relativamentes recentes no Brasil(eu disse em massa, ou seja, realmente abrangente), Deus me livre de ser deficiente ou ter parente com deficiencia aqui, tirando medidas populistas superficiais pouco é feito pra amenizar os problemas. Com certeza colocar alunos "especiais" em salas com "normais", ñ vai ajudar, pode ser até no mesmo colégio(com ensido diferenciado), afinal o contato(supervisionado) pode diminuir as fronteiras, preconceitos e até melhorar a "condição" de ambos os lados "especiais" e "normais".

  • O mundo não se divide em petistas e não petistas, e até mesmo o PT não é uma estrutura sólida, pelo contrário, está cheio de trincas, rachaduras e vazamentos.

    O Brasil também não é nenhuma Utopia (aliás, nem a Utopia era lá essa cocada preta que muita gente imagina) mas também não é o cocô do cavalo do bandido que muitos gostam de alardear. Temos pontos positivos e negativos. A maior área tropical do planeta, por exemplo, é do Brasil. Isso significa que temos energia solar para dar (distribuir socialmente com valores subsidiados) e vender (de preferência, por um alto preço, já que é uma energia ultra limpa). Olhando pelo lado negativo, temos a falta de investimento (leia-se falta de interesse) no desenvolvimento de energias alternativas em larga escala. O bio-diesel é uma falácia, a energia nuclear é uma bomba.

    Mas, enquanto nossas “autoridades” falam em construir 50 usinas atômicas, sem ter aonde "armazenar" o lixo nuclear, ficamos aqui discutindo se somos nacionalistas ou entreguistas, petistas ou tucanos (a diferença deve ser microscópica), alienados ou politizados, se as escassas verbas da educação devem ir para os deficientes ou para os superdotados, e, o que é pior, sem o menor respeito pelos portadores de Down ou quem quer que seja. Aí já não é mais o fim da picada, é um beco sem saída. Vamos procurar ter um mínimo de civilidade e melhorar o nível da blogosfera com um pouco de gentileza e propostas construtivas. O blog mundoemrevistapontocom está lançando uma campanha por uma web mais gentil e solidária. Pode ser que não dê em nada, mas não custa tentar. Gentileza é bom e eu gosto.

    • Sami

      Julio, fala a verdade: Você é boiola?

      Cardoso, não liga. O texto ficou perfeito.

  • Anônimo

    Querem um caso interessante? Passei para a Petrobras ainda cursando faculdade, 10º lugar no concurso nacional. Perguntaram se eu tomava remédios e eu respondi que tomava clonazepam (rivotril). Pediram um teste psiquiátrico (sinceridade é fogo viu?) e tal.

    A psiquiatra diagnosticou (corretamente) que eu tinha fobia social leve, o qual eu tratava com doses baixas de rivotril. Fez vários testes de inteligência e capacidade no qual apareceu que eu sou superdotado (posição mais alta na escala) em todas as áreas que ela testou, menos uma, e tenho de "inteligência superior" a superdotado na última área que sobrou. Escreveu um relatório lindo dizendo que eu sou completamente apto para o cargo de engenheiro porém sou introspectivo e precisaria de acompanhamento caso fosse ocupar cargo de gerência.

    Resultado? Fui reprovado devido a ser introspectivo e por eles estarem procurando profissionais com perfil gerencial. Meus amigos, mesmo sem saber porquê eu fui reprovado, ficaram indignados ao ver que logo eu tinha ficado de fora quando até maconheiro entrou. Hoje não tomo mais rivotril, trato minha ansiedade com bom humor e chá de camomila :-D.

    Agora acho que ser extrovertido deveria entrar para a lista de requisitos para fazer o concurso e estou pensando seriamente em entrar dizendo que sou deficiente. Afinal, se eu já fui reprovado por ter fobia social leve, muito provavelmente isso deve ser uma deficiência.

    • Antonio F.

      É um sério problema colocar decisões de Recursos Humanos com pessoas de Recursos Humanos. Em geral(há excessões) são psicólogos ruins q ñ conseguiram ganhar a vida clinicando, e com certeza ñ tem capacidade de avaliar, para a maioria das pessoas, se elas conseguiriam efetivamente trabalhar corretamente.
      Seu caso parece se um pouco complicado, a dica é "ñ esteja tomando" remédios ná época da entrevista. Vc acha q o maconheiro falou q usa? Agora o fato dele usar ñ interfere no trabalho dele, vai depender de quem ele é, quais suas capacidades, tem pessoas muito inteligentes e competentes q usam maconha, vc q ñ sabe. "Perseguir" alguem q usa maconha seria o mesmo caso q "perseguir" alguem q toma Clonazepan, Ritalin, etc. Se fosse o caso da droga interferir realmente no trabalho, como cocaina, heroina, entre outras, aí seria outra história. Isso q num falta executivo bêbado e viciado em cocaina no mundo, ganhando milhões, fazendo merda e despedindo trabalhadores honestos pra cobrir o rombo!

  • Pingback: . Pensamentos . Frases . Citações . Reflexões . » Brasil il il il il()

  • Pingback: Blog do Lucho()

  • Pingback: O começo do fim do petróleo, e problemas para um país burro. | Coisas De Homem.com()

  • Pingback: Esse país precisa de valor agregado « Periscópio()

  • Pingback: Quando eu crescer, não quero ser professor « Periscópio()

  • Pingback: O começo do fim do petróleo, e problemas para um país burro. | Coisas de Homem()

  • Pingback: Ninguém é melhor do que ninguém()

  • O NAVE não é uma escola colegial-técnica? Ou tem ginásio e eu não sei? Eu já estive lá e a estrutura do local é demais.

    Lendo seu post, eu me senti em uma das aulas de economia política que eu disse. Meu professor passou o semestre falando exatamente o que você acabou de escrever. E vocês estão certos. A questão é que para os governantes não é interessante um país onde os cidadãos raciocinem por eles mesmos, afinal, como eles passariam a fraudar então?

    Quanto a história da Síndrome de Down, eu costumo dizer que devem ter estudo diferenciado. Minha mãe diz que eu sou preconceituosa quando digo isso, porque meu irmão já teve uma colega de classe que era portadora, mas a questão é: ok, a pessoa não é inválida, mas putz, o desenvolvimento dela não é igual ao nosso. Precisa de mais atenção, mais tempo, dar isso a ela em uma escola especial, aos meus olhos, não é uma discriminação e sim uma oportunidade para que consigam se superar mais em menos tempo do que o fariam se estivesse em uma turma onde a maioria não é portadora da síndrome.

  • Acho essencial, por exemplo, o incentivo e investimento a tecnologias, afinal de contas, o que tem de talento brasileiro trabalhando fora do país é um absurdo.

    Aliás, é fato que, quando os estudantes começam a ser mestres, doutores, uma das coisas que os atraem é viver e trabalhar fora do Brasil. É difícil manter os profissionais que estão no topo de suas áreas aqui dentro. Às vezes não há campo suficiente ou, até mesmo, incentivo financeiro, então o pessoal vai embora com razão (e se dá muito bem).

    Agricultura orgânica, por exemplo (já que vc mencionou as bananas), também deve ter seu investimento sim, sobretudo pelos problemas que a Terra enfrenta. Encontrar melhores formas de tratar nosso solo é uma tarefa muito importante, e isso também vai acabar virando vantagem competitiva no futuro. Enfim, é a aplicação de tecnologia e conhecimento em prol de todos, que vai gerar dinheiro também, não é só uma ação caridosa.

    Cada um tem uma meta nessa vida e, se o objetivo da pessoa é ganhar dinheiro (e só), ela vai atrás disso e acabou. Que ela só não destrate os outros que não tem dinheiro, porque isso é uma das coisas mais estúpidas que existe.

  • Pingback: Ataliba Teixeira()

  • olh

    Eu já te critiquei, não aqui, pela falta de noção que muitos dos teus posts no meiobit representam. Se, em algum lugar, colocassem "Cardoso é um mané, pastor de ovelhinhas e coisa e tal", eu concordava de primeira.

    Mas esse post me mostrou, toscamente falando, que tu parece ter a cabeça no lugar. Digo, tu mostra ser ciente de que agrega e leva meio mundo de macaquinhos e tem motivos pra isso: ganhar grana. É uma imagem totalmente diferente da que eu tinha de você.

    Sério, ser ciente de como o mundo funciona é o que há. Pior seria um perdido levando outros perdidos.

    Então, mesmo eu sendo um zé ninguém, me desculpe pelas críticas com argumentos tapados, baseados nas minhas impressões, que eu possa ter feito por aí.

  • Ótimo texto, eu fico triste com estas situações que existem no Brasil.

  • Felipe Decker

    Cardoso

    Não é bairrismo, mas aqui no RS há tempos que não temos esse complexo de vira-latas. Na verdade, fizemos uma guerra em vez de ficarmos esperando tudo mudar sozinho.

    Na internet, eu vejo muito disso, das pessoas reclamando que os outros tem mais. Eike Batista é um fdp, logo dizem. Só porque ele se matou trabalhando pra ser o cara mais rico do país. Bom, no RS, aplaudimos de pé a família Johanpetter. Sei lá, são dois mundos que eu vivo.

    Enfim, repito: não é bairrismo. Acho que é fruto da colonização mesmo. O RS foi disputado por Portugal e Espanha desde 1500. Depois, chegaram alemães e italianos. Enquanto isso, D. João cobria o Rio de lixo, pessoalmente. É uma questão de exemplo do superior. Se El Rei pode, por que eu não?

    Ou seja, enquanto tolerarmos a baderna que ocorre na política, nada mudará.

  • Diego

    Não há muito a acrescentar frente aos comentários dos colegas anteriores. Mas acrescento que, se iniciativas como o ISMART tivesse apoio da Secretaria de Educação, quem sabe haveria um incentivo à diversificação de projetos desse tipo, incluindo aí o ensino para pessoas com deficiência mental e/ou física (para casos de atividades que requerem esforço físico).

  • Munique

    Você partiu do pressuposto de que desenvolvimento tecnológico é realmente importantíssimo e indispensável. Você pode achar isso óbvio demais, mas não é. Quem disse que isso é muito importante? Os países desenvolvidos? Isso é lugar-comum demais.

    Ter qualidade de vida (isto é, conhecimentos básicos sobre o mundo e a sociedade, saneamento, segurança e saúde) não exige alta teconologia, não exige Bill Gates e etc. Não preciso disso para ser feliz, e acho pueril alguém achar que são coisas essenciais e sem as quais não se pode viver, "só porque é nessa mão que o mundo inteiro anda". Isso pode ser verdade para muita gente, mas não preciso de 4G nas ruas. Vivo bem sem isso.

    Não concordo em gastar dinheiro público para "mentes diferenciadas", até porque não existe nenhum consenso sobre o conceito de inteligência. Concordo com salas heterogêneas porque FUNCIONAM, ao contrário do que pessoas que estão fora da realidade de escolas pensam.

    O ensino básico deve ser para todos. Isso é prioridade, e não priviligiar alguns.

    Antes que diga alguma coisa, eu entendi perfeitamente o seu texto, apenas achei lugar-comum e não concordo com ele.

    • Saneamento e Saúde você acha que é fruto de quê? Oração? Isso é tecnologia.

      E salas integradas NÃO funcionam, não acredite em tudo que lê nas revistas do Paulo Freire.

  • Munique

    Achar que tecnicismo deve superar o humano ("dane-se os com síndrome de down, eles são "sorvete na testa"") é imaturo, a meu ver. Coisa, talvez, de quem viveu pouco ou de quem esquece que tudo o que se faz é PARA o ser humano. Se você começa desprezando alguns, não faz sentido dizer que trabalha para a melhoria da humanidade.

    Teconologia é importante, mas não deve superar nunca o aspecto humano.

    • Pardo Brasileiro

      Minha filha, o "tecnicismo" criou esse computador na tua frente, o seu celular, a sua TV, a internet e tudo que existe na sua vida.

      • Francisco

        Não, não foi o tecnicismo. Tecnicismo não cria nada, nem é indício de nada de bom. Quem criou esse computador, essa internet, celulares e TVs, foi o mercado, que se utilizou de uma tecnologia baseada em ciência.
        O interessante é notar que quem realmente ganha dinheiro com tecnologia, é quem é menos tecnicista e prioriza mais o humano, que entende que é PARA o ser humano. Mas existem aqueles que acreditam que você deve idolatrar qualquer coisa que se refira à técnica ou a ciência, calando as menores críticas a essas duas deusas modernas (por que se não fossem elas, você não teria esse computador) e se esquecem que, assim fazendo, passam longe de qualquer forma de pensamento científico moderno, ou de qualquer forma de pensamento que resulte em desenvolvimento tecnológico.

  • Luiz Felipe

    Na frase "nas crianças a idéia de que elas podem ser mais ", faltou, " que jogadores inuteis de futebol "

  • Great post at Nem banana is my business anymore | Contraditorium. I was checking constantly this blog and I am impressed! Very helpful information particularly the last part :) I care for such information a lot. I was looking for this particular information for a long time. Thank you and good luck.

  • blaqxip

    É dureza mesmo. Muito bom o seu texto! O mais difícil é dizer que tenho 'orgulho de ser brasileiro'. Falta muito…

  • Felipe

    Por favor, tenha mais respeito com os portadores de sindrome de down. Você é livre pra se expressar e ao mesmo tempo responsável pelo que diz. Uma sociedade de bom senso e um pouco mais litigiosa te processaria de imediato. Presta mais atenção.

  • ;_;

  • italberto

    Inclusive, quanto ao assunto da ISMART, megamentes ajudam a melhorar a qualidade de vida dos portadores de problemas neurológicos, como os portadores de Down, de várias maneiras diferentes, do social ao físico.