Season_2_Chapter_26

Em caso de políticos o melhor é desconfiar desconfiando

Season_2_Chapter_26

Essa é rapidinha, mas sempre bom brincar de Jon Stewart de vem em quando, mesmo que me force a -argh- defender ciclistas.

Você sabe, ciclistas, esses ecoterroristas luditas inimigos do progresso, que não reconhecem a supremacia do motor a explosão mas ainda assim usam nossas estradas.

ciclistsBicicletas, como a velha piada do argentino afrodescendente conta, não são meio de transporte. Elevá-las a esse status não é bom pra ninguém, mas é exatamente o que a proposta do vereador Daniel Nepomuceno, de Belo Horizonte quer fazer.

Segundo conta esta matéria,  o digníssimo legisnauta resolveu propor um Projeto de Lei que:

“Institui o curso para capacitação de usuários de veículos de propulsão humana do tipo bicicleta, handbikes e similares.”

A matéria do jornal é mais contundente:

“Projeto que obriga ciclista a ter ‘CNH’ tem parecer favorável na Câmara de BH”

Isso é de uma estupidez atroz. Bicicletas são BRINQUEDOS, exigir carteira de habilitação para elas abre caminho para daqui a pouco exigirem curso de skatista e escolinha de futebol para pelada de rua.

A proposta é hilária, são TRINTA HORAS de curso, com pérolas do nível:

Art. 3° O curso de capacitação terá duração mínima de 30 (trinta) horas e será composto das seguintes matérias:

  • Legislação de Trânsito

  • Primeiros socorros

  • Segurança no trânsito

  • Cidadania.

CIDADANIA. Eu quero andar de bicicleta, não discutir meu papel na sociedade. De resto, o projeto não define idade mínima. Temos um curioso caso onde usuários mais novos podem usar um veículo, mas só os mais velhos precisam estar habilitados.

Eis que aparece no Twitter um defensor do tal vereador. Ele posta o seguinte texto, do Facebook do dito-cujo:

CEz3ZrwW8AIQs1E

UAU, um mal-entendido, fruto da imprensa golpista illuminati? Faz sentido, jornalistas ADORAM distorcer informações, isso é verdade, mas…

OK, vamos ver o texto original do projeto (cuidado, PDF)

Artigo 4, Parágrafo Único:

“Os aprovados receberão um certificado e uma carteira de ciclista que ficarão sob responsabilidade e custo do usuário.”

Disse o vereador:

“Em momento algum o Projeto de Lei pretende criar carteira para ciclistas.”

Artigo 4, Parágrafo Único:

“Os aprovados receberão um certificado e uma carteira de ciclista que ficarão sob responsabilidade e custo do usuário.”

Ou seja: O sujeito desmente o que ele fala NO PROJETO DE LEI, e há quem acredite e defenda.

Complicado querer que algo dê certo quando a bagunça ocorre num nível tão básico. Complicado um político distorcer as próprias palavras com esse grau de impunidade, se garantindo que nenhum idiota gastará 30s de Google para confirmar os fatos.

De resto, o projeto não fala que o curso é obrigatório mas também não fala que é facultativo, e nós sabemos para que lado a balança vai pender, na hora que o guarda municipal for atrás dos garotos bagunceiros no parque.

Portanto, crianças, fikadica: Nenhum político é tão pequeno que não precise ser vigiado de perto.

 



Leia Também:

  • Ricardo Soares de Oliveira

    Lembro que quando era criança tínhamos “aulas de ciclismo” na escola, ensinando coisinhas bem básicas como sinalização, comportamento no trânsito e equipamentos… Era integrado à grade curricular mesmo, e não tomava mais que duas aulas da disciplina em questão (provavelmente OSPB ou Moral e Cívica), e ainda ganhavamos uma “carteirinha de habilitação” (um xerocão do mais vagaba – mas que prum pivete de menos de 10 anos parecia até um troféu).
    Não acho que quem usa bicicleta¹ estaria isento de receber QUALQUER preparação (¹diferentemente de ciclista, que vai atrás de conhecer até os menores detalhes por gostar da coisa) – se você visse as barbeiragens cometidas por “bicicleteiros”, especialmente em cidades do interior, ficaria horrorizado! Mas daí pra criar um projeto de lei específico?

    Pois é… Até os políticos pequenos tentam ao máximo arrumar um novo caça-níqueis burocrático que tenha boa visibilidade de divulgação!

    • Mala de Mascate

      Engraçado é que aqui em BSB tem muito ciclista (o de verdade, com a bike bacana, roupa e capacete) implorando pra ser atropelado. O desinfeliz está pedalando pelo acostamento e invade a faixa para ultrapassar outro ciclista sem sequer olhar pra trás e garantir que não vem carro. Já me vi obrigado a desviar de alguns em situações do tipo. A vontade mesmo é de não desviar, mas a dor de cabeça depois me controla.

      • Ricardo Soares de Oliveira

        Aqui também tem alguns desses, mas eles só costumam agir dessa forma quando estão em estradas vicinais. Especialmente de terra! Aí deve ser pior porque eles sabem que têm grana suficiente pra bancar um processo… :P
        Agora, um detalhe – tanto sobre esses “bicicleteiros” quanto sobre a lei oportunista em si: de nada adianta habilitação e o k7 a 4 se a própria bicicleta não tiver algum tipo de emplacamento e registro… Desses de fácil identificação à distância, pra gambé meter canetada de longe (e do conforto da viatura).
        Vão vendo se logo logo o DD. Ilmo.Sr. Vereador não lança outra proposta de lei nesse caminho…

  • Euclides Rezende

    “EM CASO DE POLÍTICOS O MELHOR É DESCONFIAR DESCONFIANDO”

    É…o título vem bem a calhar.

  • Tava demorando até que um propusesse isso… Francamente!

  • Como de costume, políticos cagando e andando para o transporte público.

  • Eduardo

    É preciso considerar que o ciclista é obrigado a respeitar as Leis de Trânsito como qualquer um. O que não acontece.

    Mas habilitação para bicicleta? E ainda por cima opcional? Sério, alguém acha que isto vai adiante?

  • Daniel Almeida

    Pior que a quantidade de ciclista fazendo m… no trânsito acaba dando justificativa pra algo assim. Perto da minha casa NENHUM ciclista respeita o sinal de pedestres, passam como se fossem seres acima da lei. Em outros lugares também mas ainda não vi nenhum ser acertado por aquele busão sem freio providencial.

  • Adriano Garcez

    Mas é ver como alguns animais se comportam de cima de suas magrelas que daria até para torcer que tal projeto de lei fosse aprovado. Cansei de desviar e buzinar para ciclistas (daqueles todos equipados) por dirigirem no canto da pista, no sentido do fluxo de veículos, com uma ciclovia a menos de um metro de distância.

  • Martin Juan

    Politico brasileiro não tem nada melhor o que fazer. Por isso é político brasileiro. “Meu filho, você não sabe cuidar da fazenda, você não soube administrar seu escritório de advogacia, você não serve para nada… ah! Já sei. você vai ser deputado!” (Antonio Fagundes em novela que não lembro o título).
    Cardoso:
    Sempre quis possuir uma bicicleta, que meus pais sempre se negaram a comprar, alegando que era perigoso eu andar na rua numa bicicleta no meio do trânsito (não entanto meu pai me presenteou quando eu tinha 12 anos com uma espingarda .20 e um S&W cal. 38 para acompanhá-lo nas caçadas de capivaras e javalis, lá na Terra Boa, não achando que isso fosse perigoso… bom lá é diferente daqui.).
    ***
    Nunca aprendi a andar de bicicleta.
    ***
    De adulto, comprei uma bicicleta… para minha filha, quando ela tinha 12 anos.
    Hoje ela tem 30 e anda num Ford Fiesta zero quilometro.
    Meu filho herdou essa bicicleta, trocou por uma cachorra pitt bull, comprou uma moto Honda nova e hoje anda num Corsa Classic.
    ***
    Eu, caro Cardoso, continuo andando a pé.
    É isso.
    V.L.&.P.

  • Rafael Martins

    Um plus?
    O digníssimo acima, autor da pérola legislativa, é o atual presidente do Clube Atlético Mineiro, o Galo.
    Ele foi alçado ao cargo de presidente após o fim da ditad… digo, mandato do ex-presidente Alexandre Kalil, inimigo público número um de outro digníssimo, Zezé Perrela, da família Perrela, que foi presidente do Cruzeiro Esporte Clube, principal rival do Atlético, e que ficou (ainda mais) conhecido nacionalmente por encontrarem em uma fazenda de sua posse um helicóptero com meia tonelada de cocaína.

    O tal Alexandre Kalil, desistiu de entrar no mundo na política, porque segundo ele, as contas de campanha são impossíveis de “fechar”.

    Ou seja, para ser a profaníssima trindade do mal, só faltou religião, pois política e futebol já estão relacionados…

    • Vivemos em um país onde seres do futebol e de igrejas evangélicas entram na política num estalar de dedos, não tem como não ser uma merda.

  • Super Suporte

    pode ate virar lei, mas não vai pegar