web metrics


Gentileza gera… escrotidão, mas calma, a Justiça vence a Lei

12/11/2013 - 4:59 pm  -  8 comentários


justice-league-comic-geek-street-art-mural

Que o mundo é injusto, com certeza, que o diga a ausência da Luciana Vendramini no banco do carona de meu Aston-Martin DB-9 inexistente, mas algumas vezes, algumas raras vezes, o bem vence o mal, espanta o temporal e a filhadaputice é punida. Não é fácil de acontecer, e é um privilégio poder presenciar gente dançando na cara da escrotidão, do paunocuzismo, da babaquice.

Foi o que aconteceu no clássico Al Nahdha vs Al Ittihad, da 18a divisão do campeonato saudita. Jogaço, você não acompanha?

Na hora de um tiro de meta, Taisir Al Antaif, goleiro do Al Nahdha percebeu que a chuteira estava desamarrada. Ficou preocupado, aparentemente com medo de que ela saísse voando na hora do chute.

Perto dali estava um jogador do time adversário, de nome Jobson (adivinhem de onde ele é). Vendo a situação do adversário, ao invés de rir e se preparar para aproveitar da situação, ele se abaixou e amarrou o cadarço da chuteira do goleiro.

Tocado pelo gesto, o goalkeeper (como diziam os velhos locutores) afagou as costas do amigo, apertaram as mãos e prosseguiram com a jogada.

O Juiz de Merda achou que foi enrolação (mesmo tendo tomado meros segundos) e puniu o time do goleiro com um tiro indireto, apesar dos protestos de todos os envolvidos.

O jogo estava 2 x 2. Era a chance de saírem na frente no placar, ademais, toda boa ação tem sempre uma punição, certo?

Não dessa vez. O Al Ittihad seguiu as ordens do juiz, mas o atleta responsável pela jogada deu um toquinho mixuruca, fazendo a bola deslizar inofensiva pela linha de fundo. Nunca um CHUPA JUIZ FDP foi tão elegantemente executado.

Que me desculpe o rei do camarote, mas bato palmas pros Reis do Gramado.



Leia Também:


Quem diria, submarino caprichou no viral!

02/10/2013 - 2:19 am  -  3 comentários


viralzinho

Uma das coisas que mais me cansa na propaganda atual, e me fazem ter saudades do tempo em que publicidade se resumia a peças criativas dentro de formatos rígidos, como anúncios, comerciais e spots, é a mania do viralzinho.

Originalmente o viral seria uma peça de propaganda que caiu no gosto do público, e foi replicada espontaneamente. Aí vieram os especialistas em seeding, técnicas de viralização e, sendo sincero, enganação e mentira pura e simples.

Marido pendurado do lado de fora da janela, vídeo “amador” filmado na rua, tudo pra parecer verdade, fazer com que incautos e desavisados achem que é verdade, e passem adiante. A criação se rendeu ao marketing que se rendeu à psicologia e a idéia morreu. Enganar é muito mais simples do que maravilhar.

Felizmente nem todo mundo pensa assim, e bato palmas pra essa ação da M&C Saatchi, de Milão. Para promover a Life Park, uma seguradora da cidade, resolveram apelar pro velho e batido acidente de carro simulado, mas ao invés de mostrar dois fuscas raspando lataria, ou um videozinho safado fingindo uma colisão, chutaram o pau da barraca.

O carro-vítima foi encacetado por nada menos que um submarino nuclear russo. No meio de Milão.

Continue reading “Quem diria, submarino caprichou no viral!” »



Leia Também:


Corporações malvadas querem calar Martin Luther King! (ou não?)

28/08/2013 - 5:06 pm  -  13 comentários


funny-MLK-I-have-a-dream-Inception-DiCaprioHoje a Lucia Freitas postou um tuinto onde repete uma informação que está no mesmo rol de “Amazônia Pulmão do Mundo” e “Usamos 10% do cérebro”.

Escreveu ela:

“vcs sabem pq o discurso de Martin Luther King é difícil de achar? Sim, EMI tem os direitos e não libera! #copyrightsucks”

Concordo plenamente. É um saco buscar trechos de vídeos e descobrir que não existem. É uma bosta material que NINGUÉM exceto você se interessa, mas se disponibilizar é tratado como um códice de Leonardo da Vinci pela mesma empresa que caga pro material e não publica em nenhum formato.

Esperei mais de 30 dias para ver o último Star Trek, por puro respeito aos criadores, mas a vontade era baixar das interwebs, já que não fomos honrados com estréia simultânea.

ENTRETANTO sei que o mundo não é em preto-e-branco, e que acima de tudo as empresas prezam a própria imagem. Hollywood processa garotinhas, mas mexeriam mesmo com o Pastor Papa dos Direitos Civis?

Como eu sou chato, e a Lucia SABE que eu sou, fui atrás. Onde procurar? Deep Web? Arquivos criptografados do KremVax? Gaveta de cuecas do Snowden? Gaveta de calcinhas do Assange? (Ele tem cara de quem usa calcinha e VOCÊ SABE!)

Continue reading “Corporações malvadas querem calar Martin Luther King! (ou não?)” »



Leia Também:


Clique aqui, tem putaria e sacanagem e mulher pelada! (funciona pro YouTube)

15/08/2013 - 5:49 pm  -  16 comentários


sexploitation

Uma das coisas que a gente aprende quando trabalha com propaganda é que há duas formas de vender: Uma é ter conteúdo. O Pinguim do Ponto Frio por exemplo é um exemplo brilhante de como conteúdo pertinente, excelente timing e senso de humor conseguem retwits espontâneos e gente que só dá bom dia pra mãe se ela pagar, elogiando publicamente o perfil.

Até hoje lembramos e repetimos os comerciais criativos dos anos 80, antes dos marketeiros e suas planilhas e mapas de segmentação e ROIs e grupos de foco tirarem a graça da propaganda. 30 anos e o 1o Sutiã e o Garoto BomBril estão por aí.

A outra forma de vender é..

Continue reading “Clique aqui, tem putaria e sacanagem e mulher pelada! (funciona pro YouTube)” »



Leia Também:


Mais Antigos


Quem é Cardoso

Para saber mais sobre o autor deste blog, visite este link. Para enviar uma mensagem, clique aqui. Para anunciar, clique aqui.




Hey, você aí...

Colabore com o blog que você conhece e ama. Ou então com o contraditorium. Demonstre seu afeto da forma que todo mundo entende: Com dinheiro. Ei, se até Deus precisa dele, quem sou eu para discordar? Escolha sua doação:
Valor do Agrado

Jabá

O Contraditorium está hospedado no Bluehost, com transferência mensal ilimitada, espaço em disco ilimitado, domínios ilimitados, infinitos subdomínios, PHP, Ruby on Rails e todas as funcionalidades que você puder pensar. Quanto? US$6,95 / mês, quinze Reau, menos que uma pizza. Conheça o Bluehost, clique no link abaixo.